Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

‘Delivery de propina’ em SC tinha dinheiro escondido em caixas de uísque

Delatora revelou ao MPF 'mesada' ao presidente da Assembleia, Júlio Garcia, ao ex-governador Raimundo Colombo e o ex-vice Pinho Moreira

Por Robson Bonin Atualizado em 5 out 2020, 14h28 - Publicado em 5 out 2020, 14h00

Na delação premiada que fechou com o MPF, Michelle Guerra, ex-sócia do escritório do operador do esquema de corrupção no governo de Santa Catarina, revela em detalhes como se dava a distribuição da propina entre os envolvidos no esquema de fraudes em contratos públicos.

Segundo Michelle, o escritório de fachada do ex-secretário adjunto de Administração do governo catarinense Nelson Castello Branco Nappi Júnior servia para esquentar o dinheiro sujo do esquema.

ASSINE VEJA

O novo perfil que Bolsonaro quer para o STF Leia nesta edição: os planos do presidente para o Supremo. E mais: as profundas transformações provocadas no cotidiano pela pandemia
Clique e Assine

As empresas beneficiárias das fraudes em contratos públicos “contratavam” o escritório e repassavam a propina na forma de honorários. Segundo Michelle, ela sacava os valores no banco “na conta bancária do escritório, relativos aos pagamentos recebidos de empresas para as quais o escritório não prestou efetivamente qualquer serviço”.

“Os valores eram entregues imediatamente para Nelson Nappi Júnior, tanto no próprio carro de Nelson, quando este a acompanhava até o banco, quanto no escritório, quando ela ia sozinha até o banco”, diz Michelle.

A delatora afirma nos depoimentos que o operador mencionou algumas vezes que o dinheiro sacado era destinado ao presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, o deputado Júlio Garcia (PSD). A delatora também citou repasses feitos a emissários ex-vice-governador Eduardo Pinho Moreira. Um assessor direto do então governador Raimundo Colombo também é citado.

Continua após a publicidade

A delatora conta que o dinheiro sujo, depois de sacado no banco, era dividido em quantias e guardado em envelopes, sacolas, caixas de uísque e até caixas de sapato. Em um dos depoimentos, a delatora, segundo os investigadores, “começa a descrever as diversas vindas de Nelson ao escritório com elevadas quantias de dinheiro – além daqueles saques em espécie que ela fazia –, para dividir, quando então solicitava elásticos, envelopes pardos, sacolas, caixas de whisky, caixas de sapato, para fazer a divisão do dinheiro. Mencionou uma oportunidade em que Nelson chegou no escritório com uma maleta azul, cheia de dinheiro, que Nelson afirmou conter R$ 300.000,00”.

Os investigadores pediram que a delatora detalhasse como funcionava a divisão da propina. “Nelson lhe disse que ele precisava dividir, que esses valores eram ‘mesadas’ do ex-governador Raimundo Colombo, do ex-vice-governador Eduardo Pinho Moreira e também de Júlio Garcia”, diz a delatora.

Diante dos relatos, o MPF conclui na denúncia: “Por toda narrativa exposta nesse tópico e os respectivos elementos comprobatórios, ficou evidente o comando de Júlio Cesar Garcia sobre os assuntos internos da Secretaria de Estado da Administração do Estado de Santa Catarina, por intermédio de Nelson Nappi, seu articulador imediato, ou mesmo dirigindo-se ao secretário titular da pasta, o que permitiu seu comando direto nas fraudes e desvios de recursos públicos”.

A delatora Michelle Guerra e seu advogado durante depoimento ao MPF //Divulgação
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)