Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Radar

Por Gustavo Maia (interino) Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Decisões do STF de 1960 fortalecem entendimento da Corte sobre maconha

Julgamentos de casos ocorridos em 1968 e 1969 diferenciaram uso pessoal e tráfico de drogas ao analisar situações de usuários

Por Robson Bonin Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 2 jul 2024, 07h30

O STF decidiu, recentemente, descriminalizar o porte de maconha para uso pessoal, convertendo o ato num ilícito administrativo e não penal. A quantidade definida pelos magistrados, para diferenciar usuários e traficantes foi de 40 gramas da droga.

A decisão provocou muita discussão e dividiu até os próprios ministros, que apresentaram votos com diferentes avaliações sobre o tema. Apesar de ser uma interpretação recente, o entendimento de que porte para uso pessoal não é crime, adotado pelo Supremo, já foi aplicado pela Corte em julgamentos nos anos 1960.

Num caso relatado pelo ministro Amaral Santos, em 1969, por exemplo, a Corte concedeu, por unanimidade, um habeas corpus a um usuário de maconha, reconhecendo a diferença entre porte pessoal e tráfico.

Um ano antes, em 1968, o ministro Gonçalves de Oliveira foi seguido pelos colegas ao conceder outro habeas corpus a um usuário destacando “falta de justa causa” na ocorrência de tráfico e deixando claro que era “necessário que se atribua ao acusado o comércio clandestino ou a facilitação do uso do entorpecente para procedência da ação penal”.

Há ainda outros casos em que o porte pessoal de maconha foi considerado para diferenciar usuário da atividade criminosa de tráfico.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.