Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

CPI quer investigação sobre omissão do Conselho Federal de Medicina

Requerimento à PF e ao MPF pede apuração sobre o fato de médicos da Prevent Senior serem obrigados a receitar 'tratamento precoce' contra a Covid-19

Por Lucas Vettorazzo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO , Laísa Dall'Agnol Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 28 set 2021, 14h25 - Publicado em 28 set 2021, 14h23

A CPI da Pandemia aprovou há pouco um pedido para que a Polícia Federal e o MPF investiguem possíveis omissões do Conselho Federal de Medicina (CFM), do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (CRM-SP) e da ANS em relação aos métodos adotados pela Prevent Senior no tratamento de doentes pela Covid-19. A advogada Bruna Morato, que representa médicos da empresa que foram obrigados a prescrever o infame “tratamento precoce” contra a doença, presta desde a manhã desta quarta um depoimento perturbador à CPI. 

No relato da advogada, o negacionismo tinha interesses econômicos e um “kit covid” foi criado para ser a contraposição ao lockdown. A empresa, segundo ela, passou a usar o coquetel de remédios sem eficácia comprovada depois de se aproximar de um gabinete informal que assessorava o governo federal nas ações da pandemia. Atestados de óbito, de acordo com o depoimento, eram fraudados para omitir a Covid-19 como causa mortis nos hospitais da operadora. Um estudo conduzido pela empresa, disse ela, teve resultados modificados para dar a impressão de que o kit funcionava.   

O requerimento foi apresentado pelo senador Rogério Carvalho (PT-SE). Os senadores pediram, em “caráter de urgência”, uma “rigorosa investigação” às procuradorias da República em São Paulo e no Distrito Federal e às superintendências da Polícia Federal, também em SP e no DF.

Pouco antes de o requerimento ser aprovado, o senador Humberto Costa (PT-PE) disse que houve um conluio entre o governo federal, o gabinete paralelo, os conselhos de medicina e a Prevent para propagar a tese do “tratamento precoce”. Ele lembrou que o então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, foi demitido pouco depois de denunciar os métodos de um hospital da operadora em São Paulo.

Continua após a publicidade

“Em 31 de março de 2020, o ministro Henrique Mandetta fez uma denúncia contra a Prevent Senior, o Hospital Santa Maggiore, dizendo que tinha uma quantidade enorme de pessoas aglomeradas, que de 136 pacientes, 79 tinham morrido. O CFM nada fez. O CRM-SP nada fez. Dezesseis dias depois, Mandetta é demitido. No mesmo dia da sua demissão, o CFM emitiu parecer que autorizava o tratamento precoce. Qual a teoria que eu tenho na minha cabeça agora? O governo federal, o gabinete paralelo, o CFM e a Prevent Senior atuaram em conjunto pra permitir que essa situação acontecesse. O CFM com essa resolução, que diz que ‘diante do período da pandemia, não cometerá infração médica os médicos que utilizarem cloroquina ou hidroxicloroquina em pacientes pacientes da Covid-19’. Isso foi publicado no dia da demissão do ministro Mandetta”, disse Costa.

O senador questionou o que os conselhos médicos fizeram com as denúncias do então ministro. “O CRM-SP não teria que investigar a denúncia do Mandetta? E o CRM-SP abriu investigação contra quem? Contra os médicos! Era obrigação do CRM investigar essa experiência macabra que foi feita neste hospital. Então, não venham colocar a culpa nos médicos que foram obrigados a fazer o que não queriam, e sim em quem deveria fiscalizar, e na própria empresa que adotou essas definições.”

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.