Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Como a pressão pela queda de Ernesto Araújo mexe com o Itamaraty

Possível mudança no comando da diplomacia movimenta Ministério das Relações Exteriores

Por Mariana Muniz Atualizado em 25 mar 2021, 15h07 - Publicado em 25 mar 2021, 14h27

No Itamaraty, o clima nesta quinta-feira é de que após os duros recados dados pelo Congresso nesta semana, não há chance para que Ernesto Araújo permaneça à frente da diplomacia brasileira. 

Um dos efeitos da iminente mudança é a dúvida que começa a pairar sobre o que Jair Bolsonaro fará com o ministro, um dos últimos representantes da ala ideológica na Esplanada dos Ministérios.  

Diplomatas não descartam um eventual “rebaixamento” de Ernesto para o posto de assessor especial da presidência, hoje ocupado por Filipe Martins — agora alvo de apuração por suposto gesto supremacista. Seria uma maneira de manter o chanceler no governo, sob o abrigo de peso do Palácio do Planalto. 

A possível mudança também já fez acender o alerta em integrantes da cúpula do Ministério das Relações Exteriores, que começam a se articular para não ficarem sem guarida — e passam a se mexer em busca de postos que não precisem de sabatina pelo Senado.

Continua após a publicidade

Publicidade