Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Como a PF checou delações contra Ciro e Cid Gomes, em quatro pontos

Juiz federal substituto do Ceará apontou na sua decisão a metodologia utilizada para corroboração das alegações dos colaboradores

Por Gustavo Maia 15 dez 2021, 09h58

Na decisão em em que autorizou a PF a cumprir mandados de busca contra o presidenciável Ciro Gomes e o irmão dele, o senador e ex-governador Cid Gomes, o juiz federal substituto Danilo Dias Vasconcelos de Almeida registrou, em quatro pontos, a metodologia adotada pelos investigadores para corroborar as alegações dos colaboradores nas delações premiadas de executivos da Galvão Engenharia:

“1) batimentos dos fluxos dos pagamentos de propinas com as datas dos desembolsos efetuados pelo Governo do Estado do Ceará pela execução das obras contratadas, dentre elas, a de construção e reforma da Arena Castelão;

2) exame do teor dos e-mails apresentados pelos executivos da empresa no contexto das negociações dos pagamentos de propinas, nos quais se reportam, ainda que veladamente, à importância daqueles repasses como forma de assegurar o desembaraço dos pagamentos das obras represadas pelo então governador CID GOMES, em concurso com seus irmãos CIRO e LÚCIO GOMES;

3) análise minuciosa de todos os atos que compuseram o procedimento licitatório deflagrado pelo Governo do Estado do Ceará e que culminou com a contratação do consórcio liderado pela empresa GALVÃO ENGENHARIA S.A. para construção e reforma da ARENA CASTELÃO;

4) análise das vinculações existentes entre os apontados agentes públicos corrompidos que teriam proporcionado a vitória da construtora no certame da Arena Castelão e suas ligações com os irmãos CID, CIRO e LÚCIO GOMES.”

Na sequência, o magistrado apontou que o delator Jorge Henrique Marques Valença, ex-executivo da Galvão, afirmou que “os citados agentes públicos, via de regra, começavam a criar dificuldades e ficava claro para o Depoente que estavam represando pagamentos devidos para liberá-los, apenas após tais “conversas institucionais” com CID, CIFRO ou LUCIO GOMES”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)