Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Como a PF checou delações contra Ciro e Cid Gomes, em quatro pontos

Juiz federal substituto do Ceará apontou na sua decisão a metodologia utilizada para corroboração das alegações dos colaboradores

Por Gustavo Maia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
15 dez 2021, 09h58

Na decisão em em que autorizou a PF a cumprir mandados de busca contra o presidenciável Ciro Gomes e o irmão dele, o senador e ex-governador Cid Gomes, o juiz federal substituto Danilo Dias Vasconcelos de Almeida registrou, em quatro pontos, a metodologia adotada pelos investigadores para corroborar as alegações dos colaboradores nas delações premiadas de executivos da Galvão Engenharia:

“1) batimentos dos fluxos dos pagamentos de propinas com as datas dos desembolsos efetuados pelo Governo do Estado do Ceará pela execução das obras contratadas, dentre elas, a de construção e reforma da Arena Castelão;

2) exame do teor dos e-mails apresentados pelos executivos da empresa no contexto das negociações dos pagamentos de propinas, nos quais se reportam, ainda que veladamente, à importância daqueles repasses como forma de assegurar o desembaraço dos pagamentos das obras represadas pelo então governador CID GOMES, em concurso com seus irmãos CIRO e LÚCIO GOMES;

3) análise minuciosa de todos os atos que compuseram o procedimento licitatório deflagrado pelo Governo do Estado do Ceará e que culminou com a contratação do consórcio liderado pela empresa GALVÃO ENGENHARIA S.A. para construção e reforma da ARENA CASTELÃO;

Continua após a publicidade

4) análise das vinculações existentes entre os apontados agentes públicos corrompidos que teriam proporcionado a vitória da construtora no certame da Arena Castelão e suas ligações com os irmãos CID, CIRO e LÚCIO GOMES.”

Na sequência, o magistrado apontou que o delator Jorge Henrique Marques Valença, ex-executivo da Galvão, afirmou que “os citados agentes públicos, via de regra, começavam a criar dificuldades e ficava claro para o Depoente que estavam represando pagamentos devidos para liberá-los, apenas após tais “conversas institucionais” com CID, CIFRO ou LUCIO GOMES”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.