Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

CNMP faz moção de apoio a Aras contra ataques da CPI da Pandemia

Vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues chamou o PGR de 'pizzaiolo' por sua demora em analisar as provas coletadas

Por Lucas Vettorazzo Atualizado em 22 fev 2022, 11h57 - Publicado em 22 fev 2022, 11h47

Membros do Conselho Nacional do Ministério Público apresentaram na manhã desta terça-feira uma moção de apoio ao PGR Augusto Aras por conta das críticas e ataques que ele tem recebido de senadores da CPI da Pandemia.

Enquanto chefe do MPF, Aras preside também o CNMP, que realiza nesta terça sua segunda sessão ordinária deste ano. O desagravo foi apresentado pelo conselheiro Paulo Passos e recebeu o apoio dos demais integrantes do colegiado. A moção diz que Augusto Aras “cumpre com retidão as disposições do ordenamento jurídico” e que a “garantia da independência funcional serve como escudo para a própria sociedade”.

“O procurador-geral da República, Dr. Antônio Augusto Brandão de Aras, no exercício de sua independência funcional, sem qualquer subordinação funcional ou hierárquica, exerce suas atribuições de acordo com a sua compreensão da Constituição e das leis, fundado nos elementos e convicção que dispõe, cumprindo com retidão as disposições do ordenamento jurídico, sendo uma evidente violação da própria Constituição Federal a pretensa responsabilização, inclusive no âmbito criminal, do procurador-geral da República por aqueles que discordam da sua convicção jurídica”, afirma o texto da moção.

Integrantes da CPI reclamaram da demora com que a PGR analisa as provas apresentadas no relatório final dos trabalhos. Aras, por sua vez, afirmou que os senadores enviaram um calhamaço digital de documentos desconexos e que a análise do material pelos procuradores tomaria tempo.

O vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues, disse que buscaria assinaturas para pedir o impeachment do procurador-geral por julgar que ele não estaria exercendo suas funções corretamente. Randolfe chegou a chamar Aras de “pizzaiolo”.

Ao fim das falas no CNMP nesta terça, Aras agradeceu o apoio da classe e disse que não seria pautado por “retorica política”. Ele afirmou que a independência funcional é a base para atuação do MP.

“Temos a independência funcional como a única forma de nós não nos travestirmos de perseguidores ou algozes”, disse Aras. “Este procurador-geral não se pauta em retórica política. Ele não vai responder à retorica política e sair de seu lugar de fala, que é o sistema de Justiça, de natureza contra majoritária, que deve respeito à Constituição e as leis”. 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)