Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bolsonaro nega interferência na PF e defende Ribeiro: ‘preso injustamente’

Presidente, porém, não comentou áudios interceptados pela investigação em que ex-ministro diz à filha ter recebido ligação 'do presidente' sobre operação

Por Laísa Dall'Agnol Atualizado em 5 jul 2022, 19h41 - Publicado em 26 jun 2022, 21h10

O presidente Jair Bolsonaro (PL) comentou na noite deste domingo, 26, as investigações sobre esquema de corrupção no Ministério da Educação e negou ter feito qualquer interferência na Polícia Federal de forma a blindar Milton Ribeiro.

Em telefonema interceptado pela PF no último dia 9, o ex-ministro relatou à filha que tinha recebido uma ligação do “presidente”, referência a Bolsonaro — que não foi nominalmente citado na conversa. Segundo Ribeiro, “ele” achava que iriam “querer fazer uma busca e apreensão” na sua casa.

Questionado em entrevista ao Programa 4 por 4 sobre o caso MEC, Bolsonaro citou outro inquérito — aberto em 2020 pelo ministro do STF Alexandre de Moraes após denúncias do então ministro da Justiça Sergio Moro de que o presidente havia tentando interferir em trocas na Polícia Federal.

“Primeiro teve um inquérito aberto contra mim por interferência na PF, em abril de 2020. E nada se comprovou até hoje (…) não tinha nada no tocante à interferência na PF. Agora o caso Milton. Quem começou essa investigação foi a Controladoria Geral da União, a pedido do próprio Milton, que achou que algo estava errado com algumas pessoas que estavam ao seu lado e pediu à CGU que fizesse um pente fino em contratos”, afirmou aos entrevistadores.

Bolsonaro não comentou os áudios de Milton Ribeiro com a filha, e voltou a declarar que não havia “indícios mínimos de corrupção” por parte do ex-ministro.

O presidente disse que a apuração da CGU seguiu “dentro da legalidade” e que, como consequência, a Polícia Federal abriu a investigação corrente.

“Até que aconteceu o dia D, né? O dia da prisão do Milton. Deixo claro, que o Ministério Público foi contra a prisão do Milton. Não tinha indícios mínimos ali de corrupção por parte dele. E no meu entender ele foi preso injustamente”, disse Bolsonaro.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)