Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bolsonaro empodera AGU a opinar sobre atos do governo no período eleitoral

O presidente editou decreto incluindo nova — e conveniente — atribuição ao advogado-geral da União

Por Gustavo Maia Atualizado em 27 jun 2022, 19h07 - Publicado em 27 jun 2022, 12h40

A pouco mais de três meses das eleições, Jair Bolsonaro (PL) publicou nesta segunda-feira um decreto que dá poderes ao advogado-geral da União para opinar sobre a legalidade de atos normativos durante o período eleitoral, ou “no último ano do mandato presidencial”.

Desesperado pela reeleição cada vez mais difícil, segundo as pesquisas eleitorais, Bolsonaro tem pressionado seus auxiliares a encontrar recursos para conceder aumentos em programas sociais como o Auxílio Brasil e achar formas de diminuir o preço dos combustíveis e a inflação, para tentar resgatar sua popularidade. Mas esbarra nas limitações da lei eleitoral.

“Compete ao Advogado-Geral da União emitir parecer sobre: I – a constitucionalidade e a legalidade de propostas de atos normativos a ele submetidas; e II – os tópicos em propostas de atos normativos que gerem dúvidas quanto à conformação com as normas de Direito Eleitoral e de Direito Financeiro, no último ano do mandato presidencial”, diz o artigo incluído na canetada de Bolsonaro, que começou a valer já nesta segunda.

Também assinam o decreto os ministros da Casa Civil, Ciro Nogueira, e da Secretaria-Geral da Presidência, Luiz Eduardo Ramos.

A explicação do Planalto sobre a iniciativa do presidente é que, no último ano do mandato presidencial, todos os governantes se deparam com as limitações da legislação eleitoral e da legislação financeira.

“Entre as restrições normativas, encontram-se dispositivos cujos contornos são ambíguos e geram muitas dúvidas na aplicação prática. E, neste ano, além das limitações habituais, o governo se depara com as limitações instituídas pela Lei Complementar nº 173, de 2020, que serão aplicadas pela primeira vez. A edição do decreto que estabelece procedimento de consulta ao Advogado-Geral da União para o final do mandato presidencial visa, portanto, reduzir o quadro de insegurança jurídica”, justificou a Presidência.

A nova atribuição do chefe da AGU foi incluída no capítulo de um decreto de 2017 que trata da competência para propor e examinar propostas de atos normativos. No item referente à análise jurídica, antes constava apenas a Subchefia para Assuntos Jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)