Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Augusto Aras encontra Luís Miranda e desabafa sobre injustiças

Procurador-geral se queixou de críticas após fala no Dia das Mulheres; em fevereiro, Aras arquivou inquérito contra Bolsonaro em caso denunciado por Miranda

Por Laísa Dall'Agnol Atualizado em 10 mar 2022, 17h03 - Publicado em 10 mar 2022, 16h59

Responsável pelas denúncias contra Jair Bolsonaro a respeito de irregularidades em negociações da Covaxin, o deputado Luís Miranda (Republicanos-DF) esteve na última quarta com Augusto Aras e ouviu do procurador-geral da República queixas sobre ‘injustiças’ que estaria sofrendo.

Mês passado, Aras ordenou o arquivamento de inquérito contra Bolsonaro no caso denunciado pelo parlamentar e pelo seu irmão, o servidor da Saúde Luís Ricardo Miranda.

A injustiça a que se referiu o procurador-geral foi a enxurrada de críticas que recebeu após discurso em homenagem ao Dia da Mulher — na ocasião, afirmou que as mulheres “têm o prazer de escolher a cor das unhas e o sapato que vão calçar”. Depois, disse ter sido mal compreendido em suas falas.

No encontro de quarta, organizado pela Frente Parlamentar Evangélica, os deputados ouviram de Aras que a menção a escolhas cosméticas femininas se referia a um extinto decreto do Judiciário que proibia magistradas de usarem determinadas cores de esmalte durante sessões.

“Ele [Aras] comentou sobre estar sendo injustiçado por causa das suas falas, e brinquei com ele: ‘ministro, como é ruim injustiça, não é? Agradeço a PGR por não ter cometido nenhuma injustiça contra mim'”, diz Miranda.

Em fevereiro, Aras seguiu o entendimento de relatório da Polícia Federal e pediu o arquivamento do inquérito contra Bolsonaro no caso Covaxin — a PF reconheceu a veracidade dos depoimentos dos irmãos Miranda, mas chegou à conclusão de que não houve prevaricação por parte de Bolsonaro.

No ano passado, Aras já havia ‘livrado’ Miranda de ser investigado por crime de denunciação caluniosa. A PF questionou a inclusão do deputado no inquérito da Covaxin e a PGR se manifestou contra.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)