Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

“Alma lavada”, diz Miranda sobre rescisão do contrato de compra da Covaxin

Ministério da Saúde publicou nesta sexta o termo de cancelamento unilateral do contrato com a empresa indicana Bharat Biotech

Por Laísa Dall'Agnol Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 27 ago 2021, 13h49 - Publicado em 27 ago 2021, 13h44

O deputado Luis Miranda (DEM-DF) comemorou a rescisão do contrato de compra da Covaxin pelo Ministério da Saúde, nesta sexta, e declarou estar de “alma lavada” com o desfecho.

O parlamentar e seu irmão, o servidor da Saúde Luis Ricardo Miranda, apontaram irregularidades nas negociações do imunizante entre o governo e a farmacêutica indiana Bharat Biotech, intermediadas pela Precisa Medicamentos.

“Sabíamos que enfrentaríamos uma guerra por apontar as irregularidades que o governo, agora, reconhece. Fomos ameaçados e perseguidos. Meu irmão foi coagido e eu passei a enfrentar um processo na Comissão de Ética. Agora, com o cancelamento do contrato, estamos de alma lavada. Fizemos o certo e eu faria tudo novamente”, publicou em seu Twitter.

Miranda ainda cutucou o senador Randolfe Rodrigues (AP-Rede), que também comemorou a rescisão do contrato e atribuiu à CPI da Covid o impedimento de “um golpe de mais de um bilhão de reais ao povo brasileiro”.

“Graças só a CPI? Já esqueceram dos irmãos Miranda?”, publicou o deputado, que logo em seguida recebeu um afago de Randolfe.

Continua após a publicidade

“Tens razão, deputado! Reitero sempre na CPI mas faço questão de dizer de novo: tanto o senhor como seu irmão, que é servidor público e mostrou a importância da estabilidade desses servidores, nos fizeram chegar até aqui”, publicou o senador.

Quase um mês depois de anunciar o cancelamento da compra de 20 milhões de doses da vacina indiana Covaxin, após suspeitas de irregularidades na negociação terem sido reveladas pela CPI da Pandemia, o Ministério da Saúde publicou nesta sexta o termo de rescisão unilateral do contrato com a empresa Bharat Biotech, da Índia.

Em julho, a fabricante da vacina já havia encerrado o contrato com a Precisa Medicamentos, que foi a intermediária na comercialização do imunizante com o governo brasileiro.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.