Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Alckmin já fala como vice de Lula, mas apoia proposta de França

Ex-tucano diz que só vai decidir partido quando disputa ao governo de SP for resolvida; PT e PSB não abrem mão de candidaturas próprias

Por Laísa Dall'Agnol Atualizado em 15 fev 2022, 20h43 - Publicado em 16 fev 2022, 13h30

Mesmo sem ainda ter batido o martelo sobre seu futuro político, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin já fala como vice do ex-presidente Lula e tem pedido ajuda a aliados para resolver o entrave nas negociações entre PT e PSB na criação de uma federação partidária.

No encontro que teve no início da semana com o presidente do Partido Verde , José Luiz Penna, Alckmin externou preocupação com o impasse na definição de Márcio França (PSB) ou Fernando Haddad (PT) na disputa ao Palácio dos Bandeirantes e deixou claro que a definição sobre sua futura legenda está dependendo apenas da finalização das tratativas entre as siglas.

A tendência é que o ex-tucano siga para o PSB, mas caso o impasse com o PT permaneça, o caminho poderá ser a filiação a outro partido. O próprio PV já fez o convite, assim como o PSD de Kassab e, mais recentemente, o Solidariedade de Paulinho da Força.

Alckmin deixou claro que apoia a ideia defendida por Márcio França e pelo PSB de que a escolha do candidato ao governo de São Paulo deverá ser calibrada pela realização de pesquisas eleitorais dentro de alguns meses — o mais bem colocado ficaria na cabeça de chapa, enquanto o outro ocuparia a vice.

O presidente do PV — que junto com o PCdoB também faz parte da possível federação — diz também apoiar a ideia e defende a construção de uma alternativa em comum.

“Ele [Alckmin] quer decidir [sobre partido] depois de ter resolvido as questões, principalmente em São Paulo. Ele abriu mão de ser candidato ao governo de São Paulo e vê que pode ajudar. Vamos ajudar a construir um consenso, temos que criar critérios. Temos a esperança de que eles apontem um caminho, alguma coisa que a gente possa negociar”, diz Penna.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês