Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Agricultura quer rever Guia Alimentar: “preconceito ao derivado de animal”

Para ministério de Teresa Cristina, publicação do Ministério da Saúde, de 2014, é "cômico" e um dos "piores do planeta"

Por Evandro Éboli Atualizado em 17 set 2020, 13h52 - Publicado em 17 set 2020, 13h53

O Ministério da Agricultura elaborou uma nota técnica na qual pede ao Ministério da Saúde a urgente revisão do “Guia Alimentar para a População Brasileira”, produzido em 2014, e que virou uma estratégia de promoção de uma alimentação adequada e saudável e que subsidia essas políticas país afora.

Mas não é bem o que pensa a turma da ministra Tereza Cristina, uma representante egressa do agronegócio no governo.

Setores do ministério até concordam com a necessidade de um guia alimentar, mas a seus moldes. Mas  quais são eles? Sem “preconceito contra produtos de origem animal e alimentos processados”, que são os preparados na indústria.

Incomoda a Agricultura a “grande importância” que o guia dá para fases de processamento de um alimento antes de ser consumido. E critica a nova classificação dos alimentos em 4 categorias, que vai desde o in natura a ultraprocessado.

Um trecho do guia que não desce para o agronegócio, segundo a nota técnica:”faça de alimentos in natura ou minimamente processados a base de sua alimentação; limite o uso de alimentos processados, consumindo-os, em pequenas quantidades, como ingredientes de preparações culinárias ou como parte de refeições baseadas em alimentos in natura ou minimamente processados. Evite alimentos ultraprocessados”.

A nota do Ministério de Agricultura classifica como “cômico”, além de “arbitrário, confuso e incoerente”, considerar alimento mais ou menos processado levando em conta  o número de ingredientes. Um “ultraprocessado” leva 5 ou mais ingredientes.

Continua após a publicidade

“A classificação definida pelo critério de tipo de processamento não apresenta nenhuma contribuição para um guia alimentar público, representando o posicionamento do Governo Federal. A classificação é arbitrária e confunde nível de processamento com a quantidade e tipos de ingredientes utilizados na formulação dos alimentos industrializados”.

Segundo o ministério, “pesquisas demonstram que não existem evidências de que o valor nutricional e a saudabilidade de um alimento estejam relacionados aos níveis de processamento”.

Para a Agricultura, o mais importante da qualidade da dieta são os tipos de alimentos consumidos e não seu nível de processamento.

“O guia induz a população brasileira a uma limitação da autonomia das escolhas alimentares”.
Para o Ministério da Agricultura, é necessária uma ampla revisão para melhor classificar o guia entre os similares do planeta.

“Atualmente o Guia brasileiro é considerado um dos piores”, encerra a minuta de nota do Ministério da Agricultura, que pede ainda a exclusão das classificações de processamento: “equivocadas, preconceituosas e pseudocientíficas sobre os produtos de origem animal”.

A minuta da nota já foi enviada para o ministro da Saúde, general Pazuello.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês