Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Ação contra Bolsonaro segue parada com Nunes Marques

Advogados que acionaram STF para que Câmara analise pedido de impeachment contra o presidente dizem que ministro ignorou prazos

Por Mariana Muniz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 13 abr 2021, 15h32 - Publicado em 13 abr 2021, 13h28

Os autores de um mandado de segurança apresentado ao Supremo Tribunal Federal para que o presidente da Câmara analise um pedido pelo impeachment de Jair Bolsonaro afirmaram à Corte nesta terça-feira que o caso está parado há 199 dias e pediram para que a ação seja imediatamente examinada. 

O alerta foi feito pelos advogados José Rossini Campos Corrêa e Thiago Santos Aguiar de Pádua, que em março de 2020 entraram com um pedido de impeachment contra Bolsonaro na Câmara dos Deputados — e em abril de 2020 ingressaram com o mandado de segurança no STF para que o então presidente da Câmara, Rodrigo Maia, desse uma resposta. 

“Além dos 199 (cento e noventa e nove) dias de excesso de prazo, importante mencionar que a autoridade coatora continua inerte e, ainda, o Presidente da República continua praticando crimes de responsabilidade de maneira continuada,”, afirmam.

Eles argumentam que já se passaram muito mais de 30 dias desde que a PGR emitiu um parecer na ação — em agosto do ano passado — o que contraria a lei, que dá o prazo máximo de um mês para essa análise.  Aras, como se sabe, disse que Maia não era obrigado a analisar pedido de impeachment de Bolsonaro.

Continua após a publicidade

O caso estava sob a tutela do ministro e então decano do Supremo Celso de Mello, mas passou para as mãos de seu sucessor, Nunes Marques. Caberá a ele responder ao chamado. 

Os advogados dizem, na ação, que caso o ministro empossado por Jair Bolsonaro não analise imediatamente a liminar, “não restará outra saída a não ser impetrar um Mandado de Segurança contra o excesso de prazo deste ilustre Ministro Relator”. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.