Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A semana decisiva para o sonho presidencial de Doria e Simone Tebet

Pré-candidatos tentarão vencer a resistência de seus partidos para, enfim, consolidar o projeto ao Planalto

Por Robson Bonin Atualizado em 16 Maio 2022, 16h37 - Publicado em 16 Maio 2022, 06h01

Depois de sofrerem boicotes e traições dentro de seus partidos, o presidenciável do PSDB, João Doria, e a pré-candidata do MDB, Simone Tebet, esperam definir nesta semana quem irá liderar uma possível aliança política ao Planalto. A situação é bizarra. Os pré-candidatos falam uma coisa, os caciques dos partidos, outra.

No fim de semana, Doria divulgou uma carta em que rejeitou ser vice de Simone, cobrou publicamente Bruno Araújo a assumir a candidatura tucana ao Planalto e avisou que irá até o fim no seu desejo de disputar contra Lula e Bolsonaro. Doria acredita ter argumentos jurídicos para defender sua candidatura, já que ganhou as prévias do partido. Nome mais importante do tucanato, Fernando Henrique Cardoso defendeu o ex-governador nas redes.

Para tentar impedir que tanto Simone quanto Doria lancem candidaturas independentes à Presidência, os chefes das siglas anunciaram na semana passada que a decisão sobre a chapa seria tomada a partir de uma pesquisa que será realizada nestes dias para medir o potencial da dupla.

Contratado para a missão, o Instituto Paulo Guimarães deve estabelecer um roteiro para medir o humor do eleitorado sobre Simone e Doria. Além do potencial de votos e do nível de conhecimento de cada um dos dois no eleitorado, o instituto deve fazer a pergunta-chave: quem, entre Doria e Simone, tem mais chances de romper a polarização entre Lula e Jair Bolsonaro?

Há, tanto no PSDB quanto no MDB, movimentos para que nada seja decidido nesta semana. A ideia de atrasar a definição das chapas ajuda os adversários de Simone e Doria, que tentam matar as candidaturas por inanição. Afinal, nas últimas semanas, enquanto os dois estiveram lutando para conquistar o apoio de seus partidos, Bolsonaro e Lula investiram o mesmo tempo na montagem de palanques regionais e na definição de alianças.

Se Doria sofre com o boicote da cúpula nacional do PSDB, Simone Tebet luta contra alas do MDB que desejam apoiar Bolsonaro e Lula. Essa turma vê na candidatura presidencial apenas um gasto e pretende brigar para que Simone não concorra e que o dinheiro da eventual campanha seja dividido entre os candidatos ao Congresso.

 

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)