Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A propina de Paulinho – parte 2 – 500.000 reais na conta da filha

O Radar teve acesso a centenas de páginas do processo sigiloso de delação de um empresário que incrimina o deputado na Justiça

Por Robson Bonin Atualizado em 20 dez 2019, 07h21 - Publicado em 20 dez 2019, 06h02

Com o acerto da propina finalizado a partir do depósito da JBS de 3 milhões de reais na conta da Nando´s Transportes, as primeiras orientações de Paulinho da Força sobre para onde destinar a bolada começaram a chegar até o empresário Leandro Aparecido da Silva Anastácio, prestador de serviços da JBS em Barretos, escolhido para lavar o dinheiro.

A propina de Paulinho — parte 1 — O acerto de Barretos

A propina de Paulinho — parte 3 — O sonho da casa própria

A propina de Paulinho — parte 4 — Dinheiro vivo na sede do partido

Leandro Aparecido fechou acordo com a Justiça depois de Joesley Batista e Ricardo Saud delatarem o repasse de recursos ao cacique do Solidariedade. Na parte 1 da história, o Radar mostra como se deu o acerto da propina milionária.

O primeiro saque da conta-propina foi de 500.000 reais e já revelou ao empresário uma confusão entre o “projeto político” do Solidariedade de Paulinho e os interesses familiares do deputado que dominariam a história.

Segundo Paulinho, o dinheiro deveria ser repassado a uma empresa, a PS Silva e Gomes Publicidade, registrada em nome de Juliana Pereira Vilella de Pinho, filha do próprio deputado.

Continua após a publicidade

Para mascarar o pagamento da empresa de transportes de Barretos à empresa da filha de Paulinho, entrou em cena o genro do deputado, o advogado Cristiano Vilella. “Houve o contato do genro do deputado Paulinho, o Cristiano (…) Ele sugeriu que nós fizéssemos um contrato fictício entre a Nando´s Transportes e a empresa de publicidade, como se a empresa de publicidade estivesse prestando um serviço para a empresa de transporte”, disse Leandro Aparecido na delação.

O dinheiro da JBS, que havia sido repassado ao empresário de transportes a partir de um contrato forjado, seria agora transferido à filha do deputado por meio de outro contrato fajuto.

Em 6 de setembro de 2014, dias depois da reunião que marcou a negociação da propina em Barretos, o genro de Paulinho encontrou Leandro Aparecido num hotel na região de Atibaia. Nessa conversa, ficou combinado que o contrato, assinado pela filha do deputado no valor de 500.000 reais, seria feito a partir do pagamento de cinco parcelas de 100.000 reais, sempre no dia 15 de cada mês.

Toda a negociação entre o genro de Paulinho e o empresário, para formalizar a contratação de fachada, foi feita por mensagens de e-mail. Cada pagamento de 100.000 reais, feito via transferência bancária, era acompanhado de um e-mail do empresário com o recibo e a resposta da empresa da filha do deputado com a devida nota fiscal.

No último pagamento de 100.000 reais, porém, com a justificativa de sonegar o imposto, o genro de Paulinho da Força pediu que o empresário levasse a bolada em dinheiro vivo até o escritório de advocacia onde ele trabalhava.

“Entreguei no escritório dele, que fica na Alameda Campinas, no Jardim Paulista”, disse o empresário na delação. “O senhor levou esse dinheiro como, numa mochila?”, quis saber um dos investigadores. “Num envelope”, disse Leandro Aparecido.

Além dos e-mails trocados com o genro de Paulinho, dos extratos bancários, das notas fiscais e dos recibos de depósito, o empresário entregou aos investigadores a relação de datas de cada pagamento.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)