Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

XP manda recado com escolha de novo CEO: somos uma empresa de tecnologia

O atual diretor de tecnologia da XP, Thiago Maffra, vai assumir a presidência da XP Inc. a partir do dia 12 de maio

Por Josette Goulart Atualizado em 15 mar 2021, 14h33 - Publicado em 15 mar 2021, 14h00

Ele nem tinha sido anunciado ainda como presidente da XP, mas dizia em entrevistas: “Queremos ser reconhecidos como a melhor companhia de tecnologia brasileira”. A partir do dia 12 de maio, Thiago Maffra, hoje diretor de tecnologia da XP, vai assumir a empreitada para fazer da corretora o que ele já vem anunciando que será, uma empresa de tecnologia. O fundador Guilherme Benchimol passa a ser presidente-executivo do Conselho de Administração. Em sua carta para apresentar Maffra como novo CEO, Benchimol reforçou que está na hora de acelerar o processo para migrar do mundo em que a tecnologia apenas serve para o negócio para passar a servir o cliente. Apesar de um pouco atrasada em relação aos concorrentes, a XP também vai se jogar de cabeça no mundo dos bancos digitais até o fim do primeiro semestre.

Esse movimento tecnológico tem sido visto em outras decisões recentes no mercado bancário. No começo de março, o Bradesco anunciou Renato Ejnisman para presidir o Next, o banco digital que nasceu na Cidade de Deus, mas que depois de 3 anos nunca tinha tido um presidente e nem um CNPJ próprio. Ejnisman ocupou algumas diretorias do banco, entre elas a do banco de atacado, o Bradesco BBI. O agora presidente do Next nunca atuou diretamente em tecnologia, mas ele é físico nuclear e sabe bem como conversar com esse mundo tecnológico. Alguns analistas tratam o Next como a “Nova XP”, por inclusive já ter em sua plataforma a corretora Ágora, que é voltada para o mesmo público da XP. Mas o Next tem um longo caminho a percorrer. A XP já vale hoje 125 bilhões de reais na Nasdaq, cerca de 60% do valor total do que vale hoje todo o grupo Bradesco na B3.

Publicidade