Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

TSE não analisa crime eleitoral dos combustíveis. O que fará Bolsonaro?

VEJA Mercado: petróleo segue em alta no mercado internacional e é negociado próximo dos 120 dólares

Por Josette Goulart 23 mar 2022, 09h05

VEJA Mercado | Abertura | 23 de março

Os olhos dos investidores estão atentos para a condução da questão dos combustíveis. Os governadores anunciaram ontem um acordo para congelar o ICMS por mais 90 dias, o que faz com que os preços nas bombas não subam tanto quanto subiriam, mas não resolve o problema. Por isso mesmo, a notícia do dia na questão dos combustíveis é a não-decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na noite de ontem, terça-feira. O presidente Jair Bolsonaro fez uma consulta ao tribunal para saber se cometeria crime eleitoral caso mexesse nos preços dos combustíveis, mas o TSE sequer analisou a questão pois entendeu que o instrumento jurídico, uma consulta, não era o adequado. Fontes do Planalto dizem que a não-decisão já dá conforto a Bolsonaro para tomar alguma medida que reduza os preços porque então poderia consultar novamente o TSE. Assim se protegeria do crime eleitoral, previsto no caso de concessão de benefícios durante ano eleitoral, e ainda poderia culpar a justiça eleitoral caso não tenha como atuar para reduzir preços da gasolina, do diesel e do gás de cozinha. O maior medo do mercado é que o presidente haja diretamente na Petrobras para segurar os preços e todos aguardam ansiosos pela saída ou não de Joaquim Silva e Luna da presidência da estatal. 

Já o noticiário da guerra parece ter esfriado, apesar do conflito continuar e estar chegando perto de completar um mês, mas os preços do petróleo seguem subindo. Mais uma vez durante a madrugada as cotações  chegaram a bater perto dos 120 dólares e agora estão a 118 dólares.

Mas sem grandes novidades do front de guerra, os mercados estão atentos a falas importantes que acontecem hoje do presidente do Fed, Jerome Powell. Ele falará no mesmo evento que também o presidente do banco central brasileiro, Roberto Campos Neto, terá participação. A forma como os bancos centrais vão lidar com a pressão inflacionária vinda da guerra é um fator que preocupa os investidores neste momento. 

*Quer receber alerta da publicação das notas do Radar Econômico? Siga-nos pelo Twitter e acione o sininho.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)