Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Radar Econômico Por Victor Irajá Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich

Sócio dos Bertin pede na Justiça revisão do controle societário da JBS

J&F diz que ação é parte de estratégia de Lucio Funaro para tentar obter vantagens

Por Josette Goulart 15 jun 2022, 14h41

A Berf, empresa que pertence à família de um dos fundadores do Bertin, entrou com uma ação judicial na Justiça de São Paulo para tentar revisar a fusão do grupo com o JBS. A empresa já tinha entrado com um pedido de produção antecipada de provas, mas, mesmo sem ter conseguido documentos dos bancos que participaram da operação, alega que durante o processo de fusão, as quotas do Bertin foram repassadas pela Blessed por valor vil. O caso do uso da Blessed na fusão está sendo revisitado pela CVM. Mas, neste processo aberto na Justiça, a Berf pede oficialmente para ampliar a participação do Bertin no negócio. Nas alegações na Justiça, a empresa diz que tem direito a 23,5% das ações da JBS.

A J&F Investimentos que é empresa da família Batista que controla a JBS se mostra bastante tranquila com o processo. O advogado da J&F, Francisco de Assis e Silva, disse, em nota, que a fusão já aconteceu há 12 anos e foi aprovada sem o voto da J&F Investimentos. O advogado diz ainda que a ação da Berf é parte de “engenhosos esforços do doleiro Lucio Funaro para tentar obter alguma vantagem da J&F Investimentos”. Também em nota, Funaro disse não ter interesse na relação da Berf com a J&F e que a empresa só quer desviar atenção dos fatos. “Na condição de colaborador da justiça, se chamado a dar qualquer tipo de testemunho à justiça brasileira ou de qualquer outro país, falarei a verdade sobre os fatos dos quais tenho conhecimento”. 

Funaro era operador do então deputado Eduardo Cunha e atuou em empréstimos da Caixa para empresas dos Batistas. Assim com os irmãos Joesley e Wesley Batista, Funaro fez delação premiada com o Ministério Público. Funaro e os Batistas viram inimigos durante este período das delações. Antes disso, Funaro foi um dos assessores dos principais sócios da Bertin no acordo feito com a J&F quando a questão da Blessed foi parar pela primeira vez na Justiça. Mas o caso não foi adiante justamente por causa do acordo. A Berf, no entanto, não fez parte desta negociação. 

O processo judicial de agora promovido pela Bert corre em segredo de Justiça, mas seus detalhes foram revelados em agravo de instrumento ao tribunal no dia 8 de junho em que a Berf questiona a decisão do juízo da 35a. Vara Cível de transferir a causa para uma das varas empresarias.

*Quer receber alerta da publicação das notas do Radar Econômico? Siga-nos pelo Twitter e acione o sininho.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)