Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Pedro Gil (interino)
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

Quanto subiram a picanha e a cerveja nos governos Lula e Bolsonaro

Afirmação de Lula (PT) de que preços eram menores é colada ao lado de estatísticas

Por Felipe Erlich Atualizado em 25 out 2022, 16h35 - Publicado em 25 out 2022, 16h30

Um dos motes da campanha de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à presidência da República tem sido a alegação de que, em seu governo, preços mais baixos tornavam muito mais fácil fazer um “churrasquinho”, frequentemente elencando a picanha e a cerveja como símbolos. Como apontado por Matheus Peçanha, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (IBRE-FGV), o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), elaborado pelo instituto, revela que a análise dos preços deve levar em conta não apenas o período, mas o ambiente onde o “churrasquinho” ocorre. Quando se trata de churrascos caseiros, os dados do IPC levam a crer que os eventos pesavam menos no bolso durante o mandato de Lula. Porém, no caso de refeições em churrascarias, a informação provida pela pesquisa é um tanto quanto dúbia.

Através dos dados do IPC, verifica-se que a afirmação do petista tem embasamento, uma vez que, entre janeiro de 2003 e outubro de 2006, a inflação da picanha foi de 9,74%, enquanto a registrada entre janeiro de 2019 e outubro de 2022 foi de 45,98%, cerca de cinco vezes maior. Ao mesmo tempo, o preço da cerveja comprada em supermercados, portanto consumida em churrascos caseiros, subiu cerca de 18,4% tanto no primeiro mandato de Lula quanto no do presidente Jair Bolsonaro (PL). Nesse cenário, Lula tem clara vantagem. Entretanto, a história muda um pouco quando considerados as refeições em churrascarias. Também segundo o índice, o preço da cerveja vendida em restaurantes e bares aumentou 32,7% do início do mandato de Lula até outubro de 2006. No caso dos mesmos meses do mandato de Bolsonaro, subiu 16%, metade do observado no primeiro caso.

Siga o Radar Econômico no Twitter 

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.