Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Por que uma empresa de e-commerce perdeu 80% de valor em 2022?

VEJA Mercado: Infracommerce vê nos juros uma barreira de dificuldade, mas polêmicas de venda e remuneração a executivos pesaram

Por Diego Gimenes 13 Maio 2022, 10h59

A Infracommerce acaba de revelar seus resultados do primeiro trimestre e reportou um prejuízo líquido de 59 milhões de reais no período, mostrando que a maré realmente não anda muito boa para a empresa. Os papéis da companhia acumulam queda de quase 80% em 2022 depois de O Globo informar que o Itaú estaria coordenando a venda da empresa, notícia que Fabio Bortolotti, diretor de relação com investidores da Infracommerce, fez questão de rechaçar. “Os funcionários não entendem a dinâmica de uma empresa aberta e ficaram assustados quando disseram que a empresa seria vendida. O boato da venda foi o pior de todos, foi a pior notícia em termos de mentira e nos impactou bastante internamente. É uma notícia totalmente infundada”, garantiu o executivo em entrevista ao Radar Econômico.

Outra questão polêmica que derrubou as ações no último mês foi o novo plano de remuneração aos executivos da Infracommerce. A empresa aprovou um limite de bônus que permite a distribuição de até 5% das ações em circulação da empresa aos grandes executivos, e teve gente que achou a quantia muito generosa. “Quem estava longe da companhia interpretou errado, mas foi um plano aprovado por 90% dos acionistas. O limite é de 1% ao ano e para pessoas que majoritariamente entraram depois do IPO, e o funcionário só ganha se a ação subir”, disse Bortolotti, que justificou a medida para segurar os executivos frente ao assédio de empresas concorrentes.

Sobre o negócio da Infracommerce, que é a gestão do comércio eletrônico das empresas, a empresa trabalha com uma projeção de que os próximos 18 meses serão bastante desafiadores por causa do cenário macroeconômico brasileiro e das eleições. “Trabalhamos com 18 meses de mercado ruim. Temos juros, inflação e eleição como barreiras pela frente, mas a operação está bem e temos boas sinergias a capturar”, projetou o executivo.

A respeito da atual dívida de 142 milhões de reais da companhia — número que deve subir com novas parcelas a vencer —, a pior das possibilidades seria captar dinheiro no mercado, justamente por causa dos juros. “Temos 200 milhões de reais para pagar ao final do ano. O plano A é postergar porque o vendedor é nosso acionista e não tem interesse de alavancar a companhia. Não pretendemos fazer follow-on porque é complicado captar no mercado com o preço de hoje”, avalia Bortolotti. Nesta quinta-feira, 12, antes da divulgação do resultado, as ações da Infracommerce fecharam em alta de 6%, mas ainda caem 77% no acumulado do ano.

*Quer receber alerta da publicação das notas do Radar Econômico? Siga-nos pelo Twitter e acione o sininho.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês