Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Radar Econômico Por Victor Irajá Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich

Página do Facebook de Bolsonaro é configurada para não receber fotos

Presidente se revoltou e ameaçou taxar as redes; motivo da restrição, contudo, é muito mais prosaico

Por Josette Goulart Atualizado em 16 fev 2021, 10h59 - Publicado em 16 fev 2021, 10h44

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira, 15, que o Facebook está censurando seus posts e impedindo que seus seguidores publiquem fotos de notas fiscais de postos de combustíveis. Chegou a ameaçar conversar com o Congresso para aumentar impostos das redes sociais e disse que pediria providências para a Advocacia Geral da União. Mas o problema do post do presidente é bem mais prosaico. Sua página oficial no Facebook foi configurada, por ele mesmo ou por pessoa que o ajudam a administrar a página, para não receber fotos de seus seguidores nos comentários, segundo uma fonte relatou ao Radar Econômico. Quando alguém quer comentar qualquer post do presidente tem a opção de enviar figurinha, avatar e emoji, mas não foto. Muitas páginas no Facebook usam este dispositivo para evitar que seguidores publiquem pornografia, por exemplo.

No post em que ele pede para que os seguidores abasteçam seus caminhões e postem fotos de notas fiscais, são poucos os que dizem que não conseguiram postar. A maioria apenas fez comentários sobre o assunto, sem se preocupar com as fotos. Mas em pelo menos dois comentários, seguidores usaram o recurso de postar fotos no Google Drive e publicar link da foto. A discussão toda é por conta do aumento dos preços de combustíveis e a ameaça dos caminhoneiros de entrar em greve. Bolsonaro quer transferir o problema para os governadores alegando que o preço é alto por conta do ICMS. Na nota fiscal, publicada por Bolsonaro, o total do imposto estadual aparece como zero, o que ele diz ser uma desinformação e que estão jogando a população contra o governo federal como se fosse o único a arrecadar.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)