Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Victor Irajá
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

O marasmo eleitoral no Brasil em meio a tensões no mercado global

Sem apresentar grandes novidades para a economia em meio ao processo eleitoral, presidenciáveis criam sensação de calmaria nos mercados

Por Felipe Erlich
Atualizado em 15 out 2022, 10h20 - Publicado em 15 out 2022, 10h12

Veja Mercado | Fechamento da semana | 10/10 a 14/10

Entre dois turnos de uma eleição presidencial em que os candidatos não têm atendido às expectativas do mercado quanto à revelação de planos econômicos, o mundo das finanças já viu dias mais agitados. Com Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL) cada vez mais próximos nas pesquisas de intenção de voto, a conjuntura não é das mais favoráveis para se fazer previsões do que está por vir. Assim, o mercado opera com cautela, sem fortes emoções. Em sintonia, foi divulgado que o volume em ações negociadas na B3 no mês de setembro foi 15% menor do que no mesmo mês de 2021.

Apesar da ausência de grandes novidades quanto aos projetos de Lula, como estampado na capa de VEJA desta semana, há figuras influentes que consideram provável que, se eleito, o petista faria uma gestão responsável. Em entrevista ao Radar Econômico na sexta-feira, 14, um dos economistas mais renomados do país, Persio Arida, afirmou ter esperança em um governo Lula que conduza bem a economia. Já analistas ouvidos pela coluna disseram que um governo Lula responsável poderia trazer uma “festa danada” aos bancos, com valorização do Real e aumento do poder de consumo das famílias.

Com a relativa estabilidade brasileira, investidores se voltam ao cenário internacional, com tensões nos Estados Unidos e Europa. Revelada na quinta-feira, 13, a inflação americana de setembro veio o dobro do esperado, em 0,4%, criando a expectativa de mais altas nos juros. Por outro lado, também na quinta-feira, a primeira-ministra britânica Liz Truss admitiu rever alguns pontos do pacote bilionário de corte de impostos proposto por seu governo, o que agradou o mercado. Quando divulgado, o pacote caiu como uma bomba e abalou a perspectiva de permanência da conservadora no cargo.

Siga o Radar Econômico no Twitter 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.