Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

O descaso do Brasil com PCDs no mercado de trabalho durante a pandemia

Estudo mostra que geração de postos de trabalho para deficientes continuou prejudicada em 2021; construção é o setor com pior saldo negativo

Por Felipe Mendes 1 jan 2022, 18h40

Embora a geração de emprego tenha dado sinais de retomada nos últimos meses, o mesmo não pode ser dito para a criação de postos de trabalho formais para pessoas com deficiência (PcDs). Segundo um estudo do economista Fabio Bentes, da CNC, a partir dos dados do Caged, o Brasil exterminou com 5.520 postos para PcDs em 12 meses, terminados em outubro de 2021. O desalento para os portadores de algum tipo de deficiência foi maior entre os homens: no período, 6.442 vagas foram eliminadas entre eles, enquanto o saldo para o público feminino é razoavelmente positivo (+922).

A maioria dos PcDs desligados em plena pandemia de Covid-19, revela a pesquisa, foram de trabalhadores com o ensino fundamental completo (-1.736 postos), seguido por profissionais que cursaram entre o 6º e o 9º ano do ensino fundamental (-1.672). Entre profissionais PcDs com ensino superior, o saldo no período é negativo em 838 vagas. Outro dado importante a se destacar é a faixa etária dos trabalhadores dispensados: a grande maioria tem entre 50 e 64 anos (-5.268). Por outro lado, entre os jovens de 18 a 24 anos o período foi de expansão, com um saldo positivo de 4.532 empregos formais gerados.

A construção foi o setor que mais demitiu PcDs entre novembro de 2020 e outubro de 2021, com saldo negativo de 2.337 vagas. Os segmentos seguintes, do lado negativo, foram “transporte, armazenagem e correio” (-1.842 empregos) e “indústrias de transformação” (-1.218). Dentre os maiores geradores de vagas no período analisado, estão “comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas”, com saldo positivo de 880 vagas criadas, e “informação e comunicação” (+467). Para esse público, os obstáculos no mercado de trabalho são cada vez maiores.

*Quer receber alerta da publicação das notas do Radar Econômico? Siga-nos pelo Twitter e acione o sininho.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês