Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Negócio entre Petrobras e Braskem é destaque em dia moroso na bolsa

VEJA Mercado: estatal revelou que vai ofertar 75 milhões de ações da Braskem via follow-on

Por Diego Gimenes 17 jan 2022, 18h33

VEJA Mercado | Fechamento | 17 de janeiro.

O feriado em homenagem a Martin Luther King Jr. nos Estados Unidos fechou as bolsas por lá e diminuiu o volume de negociações nos mercados globais. Na bolsa brasileira, por exemplo, o volume foi de aproximadamente 15 bilhões de reais, cerca de metade do registrado habitualmente. Diante da falta de dados e notícias, a maior repercussão do dia foi o anúncio de que a Petrobras entrou com pedido na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para ofertar cerca de 75 milhões de ações da petroquímica Braskem via follow-on. A Novonor (antiga Odebrecht) também protocolou o pedido para vender a sua parte, e a oferta de aproximadamente 155 milhões de ações da Braskem ocorrerá simultaneamente no Brasil e nos EUA, movimentando cerca de 8 bilhões de reais. Diante do barulho e do choque que o negócio deve provocar inicialmente pelo alto volume de ações despejadas no mercado, os investidores adotaram cautela e as ações da companhia fecharam em queda de 6,7%, a maior do dia no Ibovespa, que caiu 0,52%, a 106.373 pontos. O dólar teve leve alta de 0,24%, a 5,526 reais.

A Petrobras, por outro lado, subiu, mas menos do que nos pregões anteriores. O petróleo brent avançou 0,64% no mercado internacional, a 86,6 dólares o barril, e as ações da companhia fecharam em leve alta de 0,5%. “A Petrobras ainda está barata em relação aos seus pares. Com esse cenário de valorização do petróleo e de desinvestimentos da companhia, o posicionamento em Petrobras se torna bastante estratégico”, avalia Filipe Villegas, estrategista da Genial Investimentos.

Quem também subiu foi a Cielo, após revelar que as vendas do varejo cresceram 3% em dezembro na comparação com 2020. A alta do papel foi de 4,9%. Ainda assim, o dia não foi muito positivo para as empresas relacionadas ao consumo. As curvas de juros futuros voltaram a subir e prejudicaram os outros papéis desse setor, uma vez que a projeção de juros mais altos pode desestimular o consumo a médio e longo prazo. O DI para 2027, por exemplo, avançou 1,53%, a 11,30%. A administradora de shoppings Iguatemi e a varejista Magazine Luiza fecharam em quedas de 3,7% e 2,8%, respectivamente.

*Quer receber alerta da publicação das notas do Radar Econômico? Siga-nos pelo Twitter e acione o sininho.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês