Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Ministério quer R$ 390 milhões para desenvolver vacina brasileira

Ciência e Tecnologia solicita à Economia crédito suplementar para implementar fases de testes de imunizante brasileiro

Por Victor Irajá 23 dez 2020, 14h09

O Ministério de Ciência e Tecnologia, sob o ministro Marcos Pontes, solicitou ao Ministério da Economia um crédito de 390 milhões de reais para o desenvolvimento de uma vacina brasileira contra a Covid-19. A chamada pública envolverá a necessidade do aporte extraordinário, para a realização das fases 1, 2 e 3 do desenvolvimento de um imunizante nacional. De acordo com um ofício enviado pelo ministério para o secretário de Orçamento, George Soares, estima-se investimentos entre 20 milhões de reais e 30 milhões de reais para ensaio clínico das duas primeiras etapas e de 250 milhões de reais a 320 milhões de reais para ensaio clínico de fase 3.

De acordo com um ofício obtido pelo Radar Econômico, o Ministério da Ciência e Tecnologia argumenta que “não implementar as iniciavas propostas poderá acarretar a não realização da condução dos ensaios clínicos e a consequente interrupção do avanço do País no desenvolvimento de uma vacina nacional para o enfrentamento ao SARS-Cov2”. A pasta solicita ao ministro da Economia, Paulo Guedes, a edição de uma medida provisória contemplando crédito extraordinário. Os estudos que embasaram o pedido foram realizados pela Academia de Ciências Farmacêuticas do Brasil.

De acordo com o plano de estudos para a consolidação de uma vacina brasileira, na fase primeira fase, 80 participantes receberiam doses escalonadas de cada vacina em três dosagens diferentes. Se bem-sucedidas as triagens, a segunda etapa envolveria 300 voluntários que receberiam apenas uma dose. A consolidação dos estudos das fases 1 e 2 demorariam quatro meses. Na terceira fase, de acordo com a Academia, “em média são utilizados nessa fase, 25 a 50 mil participantes”. “Pensando em um estudo com 30 mil voluntários, 15 mil receberiam a vacina”, diz o ofício. “E 15 mil receberiam o placebo que pode ser a vacina de sarampo, ou dupla adulto (tétano e difteria), ou meningite meningocócica, ou ainda todos os componentes da vacina sem o antígeno (imunógeno), por exemplo”, disserta o documento.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)