Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Livraria da Vila resiste e segue abrindo lojas físicas

Marca que passa por processo de expansão lança nova loja em Brasília

Por Felipe Erlich Atualizado em 26 Maio 2022, 18h44 - Publicado em 26 Maio 2022, 15h06

O mercado literário teve perdas significativas nos últimos anos, gigantes como Livraria Cultura e Saraiva estão em recuperação judicial e o fechamento das livrarias físicas durante a pandemia abalou seu modelo de negócio. Mas a Livraria da Vila quer resistir. Vinte anos após comprar a primeira unidade da Livraria da Vila, Samuel Seibel expandiu o negócio para dezesseis lojas e está prestes a inaugurar a primeira em Brasília, no dia 2 de junho. O negócio, que começou na Rua Fradique Coutinho, na Vila Madalena, fechou o ano pré-pandêmico de 2019 com dez lojas e prevê totalizar dezenove em 2023. Assim, a empresa quase dobrou suas instalações na pandemia. “Essa expansão num momento como este pode parecer uma loucura, mas nossa avaliação foi de que valeria a pena e sem colocar a empresa em risco, tudo foi estudado”, diz Seibel. Ele também afirma que a decisão de não demitir funcionários durante a pandemia ajudou na expansão, porque permitiu que já tivessem mão de obra capacitada para alocar em novas lojas.

O setor editorial demonstrou resiliência em tempos de crise, tendo pesquisas da Nielsen revelado que o faturamento de 2020 foi similar ao de 2019, apesar da pandemia, além de um crescimento de 29% em 2021. Para completar, novas livrarias independentes têm sido inauguradas em São Paulo neste ano. Para Seibel, o caso brasileiro tem semelhanças com o americano, em que grandes grupos passaram por fortes crises, mas livrarias menores eventualmente se expandiram em quantidade. Aqui no Brasil, negócios como Livraria da Vila, Leitura, Travessa e Martins Fontes teriam ocupado parte do mercado que antes era de gigantes. Sobre os livros digitais, comenta: “Disseram que seria o fim das livrarias, mas não foi. Muitos trocaram os livros físicos por digitais, mas outros que inclusive haviam parado de ler voltaram pela praticidade do livro digital”.

A Livraria da Vila afirma estar próxima dos resultados de 2019, que foi um ano histórico em faturamento, e que algumas unidades já chegaram lá. Mas para isso a situação precisaria continuar com a tendência positiva dos últimos meses.

*Quer receber alerta da publicação das notas do Radar Econômico? Siga-nos pelo Twitter e acione o sininho.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)