Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Já é difícil encontrar quem acredite que a bolsa dê lucro ainda em 2021

VEJA Mercado: incertezas domésticas e internacionais devem frear rali de fim de ano

Por Diego Gimenes Atualizado em 26 nov 2021, 19h28 - Publicado em 27 nov 2021, 09h00

VEJA Mercado | Fechamento da semana | 22/11 a 26/11.

Tudo caminhava para uma semana no positivo, mas a descoberta da ômicron, nova variante africana do coronavírus, zerou os ganhos das três altas consecutivas do Ibovespa, que recuou 0,79% no acumulado da semana, a 102.224 pontos. A incerteza global em relação à cepa se somou ao eterno risco fiscal brasileiro que, juntos, fazem os analistas duvidarem que a bolsa ainda dê lucro em 2021. “É muito difícil imaginar um rali de fim de ano como se esperava há cerca de dois meses. Somente uma reviravolta muito grande, e improvável, faria o índice ganhar tração em dezembro”, diz André Zonaro, analista da Nord Research.

No ano, a bolsa perde 14% do seu valor e é difícil encontrar quem acredite que o mês de dezembro seja seja capaz de recuperar essas perdas. “As ações estão muito baratas, é a melhor janela de compra da história, salvo março de 2020, mas é muito improvável que o Ibovespa feche o ano no azul. Se continuar do jeito que está, com o agravamento da pandemia no mundo inteiro, o próximo suporte do índice é na faixa dos 96 mil pontos”, avalia Vitor Carettoni, diretor de renda variável da Lifetime Investimentos. Ou seja, já há quem até veja a bolsa abaixo dos 100 mil pontos.

Publicidade