Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Econômico Por Victor Irajá (interino) Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Guerra causará maior choque em commodities em 50 anos, diz Banco Mundial

Tumulto em cadeias globais de produção gera inflação recorde e oportunidades desafiadoras

Por Felipe Erlich 26 abr 2022, 19h18

 O Banco Mundial divulgou nesta terça-feira, 26, um relatório referente à alta de preços de energia e alimentos no mundo, dizendo que ela veio para ficar. O pico dos preços deve ocorrer este ano, mas a alta deve persistir até o final de 2024, segundo o relatório. A organização aponta a guerra na Ucrânia como principal fator para que o problema tenha tamanha dimensão, em um cenário que já era de crise inflacionária. O aumento no preço da energia nos últimos dois anos é o maior desde a crise do petróleo de 1973, enquanto a alta nos preços de alimentos e fertilizantes é a maior desde 2008. Isso configura “o maior choque em preços de commodities desde os anos 1970”, afirma o banco. Neste ano, o valor da energia tende a aumentar em mais de 50%, com uma escalada de 100% no caso do gás natural e 80% para o carvão. Já nos alimentos, um dos aumentos mais expressivos deve ser no trigo, de 40%, enquanto na soja será de 20%.

Peter Nagle, coautor do relatório, afirmou que a situação apresenta uma oportunidade em que países podem fornecer exportações que a Rússia e a Ucrânia perderam por conta da guerra. José Carlos de Lima Jr, sócio diretor da consultoria Markestat, diz que no médio e longo prazos esta é uma oportunidade para o Brasil para revisar seu papel como produtor mundial de alimentos. Mas teme o cenário de juros altos nos Estados Unidos. “Meu medo é que a taxa de juros americana puxe o valor do dólar para cima. O dólar quando dispara, gera muita inflação porque o Brasil importa muito. Para conter uma maior desvalorização do real, o Brasil pode aumentar sua taxa de juros, dificultando o acesso ao crédito e com isso os investimentos no setor.”

*Quer receber alerta da publicação das notas do Radar Econômico? Siga-nos pelo Twitter e acione o sininho.

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)