Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Radar Econômico

Por Pedro Gil Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

Fundos brasileiros ainda patinam para virarem chave para o ESG

Maioria ainda está na curva de aprendizagem e contratando especialistas

Por Josette Goulart 12 Maio 2022, 18h32

ESG virou a sigla do momento e todas as empresas começaram a se comprometer com metas de redução de carbono, de igualdade de gênero e racial, de comprometimento com direitos humanos. As promessas são tantas que entre 2040 e 2050, anos normalmente apontados como meta, o mundo será completamente outro se todo mundo cumprir fizer sua parte. Mas apesar da mudança geral, os fundos de investimentos brasileiros ainda estão muito atrasados para analisar o ESG das empresas. Normalmente são os fundos estrangeiros que estão mais bem preparados, com algumas boas e raras exceções de casas de investimentos brasileiras. Um dos exemplos dos estrangeiros veio dos nórdicos que fizeram uma lista de empresas brasileiras em que não investiam por conta do desmatamento. 

O presidente da Associação de Investidores no Mercado de Capitais (Amec), Fábio Coelho, diz que no Brasil ainda tem uma curva de aprendizado muito grande a ser perseguida pelos fundos de investimentos, mas que a demanda dos associados tem sido crescente sobre o tema, a ponto de a própria Amec ser hoje uma associação que para além da governança passou também a se debruçar sobre a sustentabilidade das empresas. A Amec representa hoje fundos mais ativos, que influenciam nas empresas.

Mas outro ponto que deixa os fundos para trás é que a maioria ainda é passivo, ou seja, apenas replica os índices das bolsas de valores. Esse tipo de carteira torna o ESG no mundo todo mais lento porque impede o gestor de se “desconectar” do índice, diminuindo o espaço de manobra, segundo Ed Morata, sócio da consultoria em sustentabilidade e ESG Forfuturing. E Morata ressalta que as próprias empresas ainda não estão preparadas para fazer ESG em casa e permitir que uma consultoria mostre os pontos que precisam mudar radicalmente. Ou seja, ainda falta muito para 2050. 

O que é ESG, a sigla que sacudiu os mercados

*Quer receber alerta da publicação das notas do Radar Econômico? Siga-nos pelo Twitter e acione o sininho.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.