Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Empresariado e banqueiros começam a perder esperanças de uma terceira via

Discussão esquentou depois que Armínio Fraga declarou voto em Lula se eleição estiver apertada

Por Josette Goulart 29 abr 2022, 11h08

Ainda faltam três meses, até julho, para se ter um cenário mais claro sobre a viabilidade de um candidato que não seja Lula ou Bolsonaro para as eleições. Mas grandes empresários e banqueiros começam a se desanimar com a viabilidade de uma terceira via. Nem a declaração de João Doria de que eventualmente poderia ser vice de Simone Tebet animou. “Os partidos simplesmente não querem e não estão se articulando”, disse à coluna um grande empresário que acompanha a politica de perto nas últimas décadas e que era um dos poucos que já em março de 2018 previa que Bolsonaro ganharia as eleições. “E a disputa entre Lula e Bolsonaro vai ser muito apertada”. 

A discussão entre o empresariado esquentou depois de algumas declarações pró-Lula nesta semana. O ex-presidente do Banco Central, Armínio Fraga, disse em entrevista ao site Poder 360 que ainda tem esperanças na terceira via, mas declarou seu voto em Lula se a eleição estiver apertada. O presidenciável João Doria mudou o tom do seu discurso e disse que respeita o Lula, mas não respeita Bolsonaro. Pessoas da campanha de Doria contam que traçar a linha da democracia já é um efeito da atuação do marqueteiro Lula Guimarães, que chegou agora à campanha.

Um importante banqueiro ouvido pela coluna diz que a terceira via praticamente se acabou e que vê o empresariado muito dividido. “Na minha visão a maioria ainda é bolsonarista, mas muitos têm vergonha de assumir”, disse ele. “Existe uma parcela do mercado financeiro ansiosa por uma narrativa que está simpática ao Lula. Mas não sei se isso dura”. 

Na campanha de Doria, a esperança é que seu marqueteiro Lula faça milagres e consiga fazê-lo chegar aos 10 pontos até julho. “Doria foi um grande governador, mas cometeu o grande erro de cuidar ele mesmo da sua comunicação. É como o médico fazer sua própria cirurgia”, diz um importante publicitário. Já o empresariado que se diz contra Bolsonaro e está disposto a votar em Lula avalia que a mudança de marqueteiro no PT foi uma boa notícia e que Sidônio Palmeira pode mudar o rumo da campanha do ex-presidente. “Não dá para se falar em aborto num país conservador se quiser ganhar a eleição, né?” 

*Quer receber alerta da publicação das notas do Radar Econômico? Siga-nos pelo Twitter e acione o sininho.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)