Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico

Por Pedro Gil (interino)
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

Condução errática de Erdogan na economia turca é alerta para o Brasil

Inflação, perda de valor da moeda local e intervenção nos rumos da economia: o presidente turco como caso de estudo

Por Felipe Mendes Atualizado em 4 jun 2024, 12h28 - Publicado em 4 jan 2022, 11h55

Inimigo mortal dos juros altos, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, tem muito a ensinar ao Brasil. Sua condução errática e estapafúrdia na economia apresenta tudo o que não deve ser adotado por uma nação emergente. De olho apenas nas exportações, Erdogan bateu palmas para o descontrole da lira turca perante a outras moedas no mundo. O desastre foi completo. Em 2021, a lira declinou mais de 40% frente ao dólar, o que fez acender um outro problema: a inflação, que atingiu avanço de 36,08% no último ano, segundo dados divulgados em dezembro — a maior para o país desde 2002.

Em situações de descontrole cambial e inflacionário é comum que países emergentes aumentem a taxa básica de juros. Erdogan, no entanto, foi na direção oposta. Segundo ele, inflação alta é boa para a balança fiscal do país. Ai de quem discorde. Em março de 2021, dois dias após o banco central turco aumentar a taxa de juros de 17% para 19% ao ano, Erdogan defenestrou o presidente do órgão, Naci Agbal, da cadeira. Depois disso, as reuniões do órgão são para atender as vontades do presidente do país, com o indicador caindo paulatinamente a cada anúncio. Hoje, a taxa de juros na Turquia figura em 14% ao ano. Mais recentemente, em dezembro, Erdogan usou sua mão forte para derrubar dois vice-ministros das Finanças do país: Sakir Ercan Gul e Mehmet Hamdi Yildirim.

Com o descontrole total, os mais pobres não têm o que comer e o país vive uma crise de desabastecimento. Os próprios empresários, muitos deles que se aproveitam das exportações, reclamam da perda de poder de consumo dos turcos e da disparada nos preços das matérias-primas. Não menos importante, a situação fiscal da Turquia tem estimulado a circulação de dólares pela população. Para os brasileiros, fica de aprendizagem entender a importância da economia para a escolha do próximo presidente. Que este não venha a ser intervencionista nem transforme o país em um “laboratório de ideias malucas”, como Erdogan é lembrado na Turquia.

*Quer receber alerta da publicação das notas do Radar Econômico? Siga-nos pelo Twitter e acione o sininho.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.