Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico

Por Pedro Gil (interino)
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

Azul vai dominar quase 100 rotas se comprar Gol, critica Márcio Holland

Ex-secretário da Fazenda mostra preocupação com concentração de mercado excepcionalmente elevada

Por Felipe Erlich 15 Maio 2024, 13h53

Se a companhia aérea Azul comprar a Gol, cenário especulado por parte do mercado, ela teria controle de 96 rotas no país, sem concorrência. A cidade de Recife (PE) teria 88% de seus voos oferecidos pela empresa resultante da suposta fusão. A alta concentração também ocorreria em outras capitais, como Belo Horizonte (84%), Salvador (70%), Curitiba (68%) e Porto Alegre (65%). Os dados são de estudo conduzido pelo economista Márcio Holland, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV). A operação resultaria em um duopólio, com a empresa resultante da fusão e a Latam controlando 99,5% dos voos comerciais do país — uma situação inédita para as últimas duas décadas do setor aéreo, segundo o economista.

Em tom crítico, Holland aponta que a empresa resultante da fusão entre Azul e Gol, sozinha, deteria mais de 60% do mercado de aviação comercial do Brasil. O economista compara o contexto com o dos Estados Unidos, país de dimensão e diversidade regional semelhantes às dos Brasil. Por lá, há quatro empresas que se destacam em marketshare, e nenhuma com mais de 18% do mercado, de modo que resta mais de 30% do mercado para uma série de outras companhias.

O professor da FGV lembra que o setor de aviação comercial sempre tende a formar um oligopólio, dada a dificuldade de novas empresas entrarem no ramo, mas argumenta que o resultado de uma fusão entre Azul e Gol elevaria a concentração do mercado no Brasil a níveis preocupantes, especialmente quando comparada a dos EUA. No início dos anos 2000, quando o mercado brasileiro sofreu um grande ‘boom‘, indo de 30 milhões de passageiros por ano para 95 milhões em cerca de uma década, a concentração era menor. À época, as duas maiores empresas detinham 67% do mercado, segundo o estudo. “A competição de mercado permitiu o aumento da oferta de voos com tarifas médias mais acessíveis”, diz o economista.

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.