Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Radar Econômico Por Victor Irajá Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich

Administrador judicial pede um cão de guarda para vigiar a Itapemirim

Grupo que está em recuperação judicial lançou em junho sua empresa de aviação e neste mês atrasou o pagamento de salários da aérea

Por Josette Goulart Atualizado em 13 ago 2021, 20h35 - Publicado em 13 ago 2021, 15h48

Quando lançou oficialmente sua companhia aérea, em maio, o dono da empresa Sidnei Piva disse ao Radar Econômico que investidores árabes fariam um aporte de 500 milhões de dólares na nova companhia. Mas ele mesmo informou que o sucesso do aporte dependia do fim da recuperação judicial da empresa de ônibus. Naquele mesmo mês, a empresa fez o pedido do fim do processo que corre na Justiça de São Paulo. De lá para cá, não só o juiz ainda não se decidiu sobre o fim da recuperação judicial, como os credores inundaram o Judiciário com reclamações.  Alguns credores pediram até mesmo a destituição da diretoria, alegando que dinheiro está sendo desviado para a companhia aérea.

Neste mês, o administrador judicial sugeriu que a Justiça coloque um watchdog na empresa, ou seja, um cão de guarda tipo pitbull para fiscalizar e vigiar os passos de todas as empresas do grupo. Ainda pede que a procuradoria da Fazenda seja chamada a explicar se fez algum acordo para uma dívida de 2 bilhões de reais da empresa. A Itapemirim alega que está com tudo em dia e os credores que não receberam é porque contestam valores. Mas os credores, como o Bradesco Saúde, reclamam que nem os valores já acertados estão sendo pagos.

Para piorar o voo, nesta semana veio a público o atraso no pagamento de salários da recém-criada companhia aérea. A companhia garante que o atraso  foi apenas uma questão técnica, quando a empresa resolveu centralizar os pagamentos em um único banco e que o problema já foi resolvido. Mas quando questionada sobre os investimentos árabes e o fim da recuperação judicial, a empresa agora se nega a comentar.

Em nota, o grupo Itapemirim disse: “Sobre a sugestão do Administrador Judicial, a EXM Partners, de colocar um watchdog “para fiscalizar e vigiar os passos de todas as empresas do grupo”, a Itapemirim informa que, desde o início da recuperação judicial, há um colaborador da empresa EMX Partners dedicado e com acesso a todo tipo de informação das empresas recuperandas. Hoje, é o sr. Francisco Martin, que trabalha nas instalações da Viação Itapemirim de segunda a sexta-feira. Ao peticionar dessa forma no processo, o Grupo Itapemirim entende que a EXM quer apenas tumultuar a saída do Grupo do processo de recuperação judicial.”

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)