Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Pedro Gil (interino)
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

A pressão impetuosa do setor têxtil em projeto que taxa compras online

Nos bastidores, há quem ameace tocar negócio no Paraguai para também ter benefício tributário

Por Felipe Erlich 13 Maio 2024, 17h40

O setor têxtil está eufórico em relação ao dispositivo legislativo que taxa todas as compras online vindas do exterior, um “jabuti” contido no programa de mobilidade elétrica do governo federal, o Mover (PL 914/24). O PL entrou em regime de urgência na última semana, hoje sob análise da Câmara dos Deputados. Atualmente, compras com valor de até 50 dólares (mais de 250 reais) são isentas de impostos de importação no caso de sites que aderiram ao Remessa Conforme, programa de regularização tributária do governo. Em conversas reservadas com parlamentares ligados ao setor produtivo, representantes de grandes empresas do setor são categóricos ao argumentar pela taxação de seus concorrentes estrangeiros. Caso as empresas nacionais sigam em desvantagem tributária, há quem ameace investir em operações em países como o Paraguai, de onde exportariam produtos para o Brasil sem pagar impostos — uma emulação do que hoje é feito, da Ásia, por empresas como Shein e Shoppe.

Uma série de entidades do segmento de vestuário vão divulgar um comunicado nesta segunda-feira, 13, bradando pela aprovação do relatório do PL 914/24 pelos deputados. Em uma versão do texto obtida pelo Radar Econômico, o setor afirma em letras maiúsculas que está em uma “luta pela sobrevivência” desde que o Remessa Conforme foi posto em prática, em agosto de 2023, e boa parte dos produtos importados em sites como a Shein deixaram de ser tributados na esfera federal. A distorção é chamada de “uma inédita reserva de mercado às avessas”, que privilegia o produto estrangeiro em detrimento do nacional. A minuta das entidades, que contém nove pontos de exclamação, diz que plataformas estrangeiras hoje buscam “intimidar” parlamentares de modo a manter seu benefício fiscal.

Confira as entidades que assinam a minuta:

  • Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTex)
  • Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT)
  • Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV)
  • Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (ABICALÇADOS)
  • Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (ALSHOP)
  • Associação Brasileira de Shopping Centers (ABRASCE)
  • Associação Nacional dos Fabricantes Produtos Eletroeletrônicos (ELETROS)
  • Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB)
  • Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (ABRAPA)

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.