Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

A alternativa das empresas da bolsa à taxação dos dividendos

VEJA Mercado: reforma tributária pode impor alíquota de 20% aos dividendos das empresas e atingir em cheio empresas do setor de energia e saneamento

Por Diego Gimenes 25 ago 2021, 13h03

A possível taxação de 20% sobre a distribuição dos dividendos proposta pela famigerada reforma do imposto de renda foi mal recebida pelo mercado e as empresas que costumam pagar valores volumosos, como as de energia e saneamento, ligaram o sinal de alerta. Tributaristas indicam que um caminho para fugir das alíquotas é por meio dos programas de recompra de ações. O mecanismo é comum na bolsa e representa entrada imediata de fluxo de caixa na conta do acionista, ou seja, é uma forma de remunerá-lo. “Quando a reforma estiver estiver valendo, as duas principais alternativas serão recompra de ações ou investimento do lucro na própria empresa, por meio de fusões e aquisições, por exemplo”, explica Rafael Bragança, sócio do escritório Daudt, Castro e Gallotti Olinto Advogados.

Um estudo da MZ Group mostra que, em 2021, 47 companhias anunciaram planos de recompra de ações até o último mês de julho, mesmo número registrado no mesmo período do ano passado. Em agosto, empresas como Locaweb, JHSF, Movida, Eztec e Simpar informaram ao mercado a intenção de recomprar ações. Sem ter ainda a taxação dos dividendos em vigor, um bom motivo para recomprar ações é quando elas estão baratas.

+ JHSF e Locaweb sobem após recompra de ações. Por que isso é bom?

Publicidade