Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Por Trás dos Números Por Renato Meirelles Renato Meirelles é pai da Helena, acredita que a Terra é redonda, está à frente do Instituto Locomotiva e, neste espaço, interpreta os números muito além da planilha Excel

O dia em que Mário Covas voltou para a política

Legado do ex-governador de São Paulo estava presente no lançamento da chapa Lula-Alckmin

Por Renato Meirelles Atualizado em 7 Maio 2022, 16h10 - Publicado em 7 Maio 2022, 16h06

Sábado, 7 de maio. Lançamento da pré-candidatura da chapa Lula-Alckmin à presidência da república. Na voz de Geraldo, o mais aplicado aluno de Covas, o falecido Governado de São Paulo voltou para política mostrando o seu maior legado: É na democracia que as diferenças encontram o campo seguro para se manifestar. Covas sempre acreditou que em alguns momentos da história, acima de qualquer diferença programática, é necessário a união na defesa do ambiente democrático
Disse Alckmin em seu discurso; “O Brasil sobrevive hoje ao mais desastroso e cruel governo da sua história. Socialmente injusto e irresponsável. Prometemos hoje ao Brasil um governo realmente democrático.”
Em um evento sem muitas emoções, com a força e convicção que quase não esteve presente em sua última candidatura, Geraldo não deixou dúvidas sobre sua lealdade não apenas a Lula, mas ao que aprendeu com um professor que tanto lutou contra a ditadura militar e que no segundo turno de 89 levou o PSDB a apoiar Lula contra Collor.
Alckmin, se recuperando da Covid e direto de um telão, prometeu: “Absolutamente nada servirá de razão ou pretexto para que eu deixe de apoiar ou defender a volta de Lula à presidência do Brasil”
Já Lula, diferente de quando decidiu ampliar seu discurso e, em busca do eleitor médio, convidou seu ex-adversário para compor sua chapa, tem cometido uma série de erros em seus discursos no último mês. Entrou em pautas polêmicas, reacendendo a até então adormecida rejeição da classe-média tradicional e pouco relevantes para o eleitor de sua base. Muitos respiraram aliviados quando viram Lula lendo seu discurso. Talvez o contundente discurso do candidato a vice, signifique um freio de arrumação na campanha.
Pela primeira vez temos como candidatos um ex-presidente disputando com um presidente em exercício. Em um país onde a regra é que o processo eleitoral passe longe de condições normais de temperatura e pressão, estamos longe de saber quem será o próximo presidente da república. No entanto, uma certeza já temos: A chapa Lula-Alckmin consolida o fim da terceira via e, em uma eleição onde a rejeição irá contar tanto quanto a preferência por alguma candidatura, existe uma clara diferença entre a estratégia dos dois campos que disputam o palácio do planalto.

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)