Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Paulo Cezar Caju Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Paulo Cezar Caju
O papo reto do craque que joga contra o lugar-comum
Continua após publicidade

A seleção de Tite é uma mentira, um tapa na cara do torcedor

Perdemos para uma Argentina sem graça, onde o destaque foi De Paul. Os “desarmadores de jogadas” se transformaram nos grandes astros do futebol

Por Paulo Cezar Caju Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
12 jul 2021, 11h24

Quem ligasse a tevê no momento em que Tite, de terno, curvava-se ao público, balbuciando algo, poderia imaginá-lo como um maestro reverenciando a plateia, que acabara de aplaudi-lo fascinada com o brilhantismo do espetáculo. Mas, não. Era o comandante da seleção brasileira, outrora a mais temida do mundo, pedindo desculpas por mais uma bola fora de sua orquestra decadente, desafinada, que já nasceu fora do tom e nunca floresceu. Na verdade, essa seleção é uma mentira, uma piada, um tapa na cara do torcedor.

Assine a revista digital no app por apenas R$ 8,90/mês

Tite é um tenor sem voz, um professor que se embaralha com as próprias fórmulas, especialista em caras e bocas, mas que nesses anos todos nada acrescentou ao futebol. Sinceramente, acho que após a derrota para a Argentina o professor deveria ter reunido a sua turma, ainda no vestiário, e cantado o sucesso de Kleiton e Kledir…”deu pra ti, baixo astral, vou pra Porto Alegre, tchau..”. A reformulação deve ser rápida e rigorosa. Alguns jogadores não tem a menor condição de vestir a camisa da seleção. Estar em algum grande time da Europa não é sinônimo de ser bom de bola. Os empresários lotearam a seleção e a CBF está deixando o baile seguir.

  • Relacionadas

Se estamos com escassez de craques vamos investir em alma. Não temos qualquer estratégia e quando estamos no sufoco a saída é dar a bola para Neymar e torcer para que ele drible o time inteiro. Mas Neymar não é mais o menino que muitos ainda imaginam ser. Não temos mais um fora de série, não sabemos jogar coletivamente e sequer temos um líder. Nem o choro da derrota nos convence. Patético Casemiro aplaudindo o árbitro, patético Thiago Silva explicando mais um fiasco, patético Vinicius Jr. consolando Neymar. E olha que perdemos para uma Argentina sem graça, onde o destaque foi De Paul. Os “desarmadores de jogadas” se transformaram nos grandes astros do futebol, nunca vi isso.

Mas, certamente, Tite sairá mais prestigiado desse episódio, afinal é o queridinho da CBF, da mídia e vai classificar o Brasil para a Copa, missão “dificílima”. Escrevo enquanto assisto a final da Eurocopa e ouvi muitos gritos no gol da Inglaterra e mais ainda na vitória da Itália. Não vi nenhuma mobilização para a decisão do Brasil. Isso é grave, na verdade, triste, muito triste. Fico feliz por Roberto Mancini, da Itália. O episódio triste foi a volta dos hooligans, que aterrorizaram para invadir o estádio antes da bola rolar.

Por aqui, tudo na mesma. O Flamengo conseguiu uma virada no sufoco contra a Chape.O Náutico lidera a Segundona sob a batuta do veterano Hélio dos Anjos, algum time anunciou o retorno de Ney Franco e Felipão voltou ao mercado comemorando um empate com o Inter. Que nosso futebol está dentro de um túnel, não tenho dúvida o problema é descobrir onde está a luz, a saída, a salvação. Enquanto isso, sou obrigado a ouvir que fulano deu uma estilingada na bola pela beirinha do campo e que o Fortaleza é um time com conceito de ideia de jogo…

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.