Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Paraná

Por VEJA Correspondentes Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens paranaenses. Por Guilherme Voitch, de Curitiba
Continua após publicidade

Isolado, Beto Richa pode sair ao Senado sem apoio de nenhum outro partido

Tucano está sendo rifado da coligação da governadora Cida Borghetti (PP); pressão é para que ele troque Senado pela Câmara dos Deputados

Por Guilherme Voitch Atualizado em 30 jul 2020, 20h22 - Publicado em 2 ago 2018, 20h04

Depois de oito anos como governador do Paraná, apoiado por uma gama que chegou a unir 17 partidos políticos, são grandes as chances do tucano Beto Richa sair candidato ao Senado em uma chapa avulsa, sem o apoio de nenhum outro partido.

Em tese, o PSDB deveria integrar a coligação de Cida Borghetti (PP), sucessora de Richa no Palácio Iguaçu. A chapa teria o ex-governador e o deputado federal Alex Canzini (PTB) como candidatos ao Senado. A demora em declarar apoio público à atual governadora e a aproximação de aliados do tucano com o deputado Ratinho Júnior, candidato do PSD ao governo, levou o marido de Cida, o deputado federal e ex-ministro da Saúde, Ricardo Barros, a dar um ultimato a Richa. Barros afirmou que Richa não queria uma aliança com Cida e trabalhava por uma chapa avulsa, sem a obrigação de apoiar qualquer candidato ao governo.

O recado do ex-ministro acendeu o sinal de alerta no PSDB, que intensificou os esforços para se reaproximar da governadora. A mudança de postura de Richa também ficou evidente. Nos últimos dias o tucano passou a dar repetidas declarações de apoio a Cida e emissários foram enviados para tentar cortejar Barros. Os cálculos tucanos mostravam que uma chapa avulsa diminuiria a bancada na Assembleia Legislativa e elegeria apenas um deputado federal. A própria eleição de Richa ao Senado estaria em risco.

A essa altura, porém, Barros e Cida tinham em mãos uma pesquisa interna mostrando que as investigações em curso contra o tucano — que apuram desvios em obras de escolas estaduais, contratos de pedágio e em uma Parceria Público-Privada (PPP) de uma rodovia estadual, entre outras — afetavam a imagem não só de Richa, mas de quem estivesse ao lado dele na chapa. Com os números em mãos, Barros disse aos tucanos que o PSDB podia permanecer na coligação, desde que Richa desistisse da candidatura ao Senado. A sugestão, aceita por parte dos deputados do PSDB, era de que o ex-governador saísse candidato a deputado federal. O cálculo é de que a candidatura a Câmara seria bem mais tranquila e estaria garantida apenas com o apoio de prefeitos aliados, sem a necessidade de contar com os votos da classe média das grandes cidades do estado.

A opção tem sido refutada por Richa que vê a desistência do Senado como um “recibo de derrota”, nas palavras de um aliado. A pressão, no entanto, tem aumentado e o próprio candidato do PSDB à presidência, Geraldo Alckmin tem sugerido a Richa seguir o caminho adotado por outro tucano importante, o senador Aécio Neves, de Minas Gerais, que anunciou sua candidatura à Câmara dos Deputados.  Aos correligionários, Richa tem dito que a candidatura é irreversível, mesmo que isso signifique o isolamento do PSDB,

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.