Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Som e a Fúria Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Felipe Branco Cruz
Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal
Continua após publicidade

Reação exagerada contra Taylor Swift no Brasil expõe misoginia

Atacada nas redes sociais, cantora enfrenta escrutínio que seus colegas homens, acusados de violência doméstica e até pedofilia, passaram ilesos

Por Kelly Miyashiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 24 nov 2023, 10h30 - Publicado em 24 nov 2023, 10h15

Rosto de manchetes – sensacionalistas ou não – desde que chegou ao Brasil na semana passada, Taylor Swift virou assunto preferido nas redes sociais e nos noticiários. A princípio, porque sua turnê The Eras – prestes a se tornar a mais rentável da história da música com 2,2 bilhões de dólares em arrecadação – pousou no país, causando animação de uma multidão vasta de fãs enlouquecidos pela cantora americana de sucesso inquestionável. A euforia deu lugar à tristeza no primeiro show realizado no Rio de Janeiro, em 17 de novembro, quando a jovem Ana Clara Benevides, de 23 anos, morreu após passar horas na fila para ver Taylor de perto no Estádio Nilton Santos (Engenhão), um local com acesso à água precário em um dos dias mais quentes da história da capital fluminense.

Após a tragédia, a postura lamentável da cantora e da produtora do show no Brasil, a Time For Fun (T4F), foram duramente criticadas, já que ambas falharam em prestar o devido apoio à família da vítima — Taylor se resignou a uma publicação no Instagram e a entoar a canção Bigger Than the Whole Sky, que fala sobre a perda de alguém amado, no show seguinte, levando à associação de que seria um tributo discreto à Ana.

Os gestos não foram suficientes para acalmar uma parcela dos milhares de fãs – e críticos (leia-se haters) – brasileiros e uma onda de ódio foi direcionada diretamente à Taylor Swift, entre críticas válidas e ataques tão gratuitos que atestam como até mesmo a jovem poderosa não escapa da misoginia que acomete mulheres em reações desproporcionais. Há quem fale de boicote total à “americana insensível” que “não se importa com a vida de uma brasileira”, em discursos inflamados que culpabilizam totalmente a cantora pela fatalidade. Curiosamente, não houve movimento parecido contra cantores agressores de mulheres, como Chris Brown, que espancou Rihanna, sua então namorada, em 2009, ou Victor Chaves, sertanejo flagrado chutando a então esposa grávida por câmeras de segurança. Este último até retomou sua carreira neste ano como se nada tivesse acontecido, mas ambos seguem com legião de fãs. Também não se viu boicote parecido ao astro Michael Jackson, envolvido em diversas acusações de pedofilia.

Houve ainda um assustador movimento machista contra as fãs da cantora, supostamente responsáveis por causarem histeria nos shows — por causa disso, médicos presentes no Engenhão teriam dado calmantes às jovens que passaram mal, segundo relatos, eram remédios faixa-preta como Rivotril e Clonazepam. Ironicamente, homens que brigam em estádios durante jogos de futebol nunca recebem o mesmo tratamento e mortes também ocorrem em decorrências de conflitos de torcidas organizadas. Nem por isso são intitulados de histéricos.

Continua após a publicidade

A própria cantora fala do drama de ser mulher em um mundo que só aclama homens na letra de The Man. De fato, se ela fosse um, talvez o linchamento virtual no Brasil teria sido mais brando.

Acompanhe notícias e dicas culturais nos blogs a seguir:

Tela Plana para novidades da TV e do streaming
O Som e a Fúria sobre artistas e lançamentos musicais
Em Cartaz traz dicas de filmes no cinema e no streaming
Livros para notícias sobre literatura e mercado editorial

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.