Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
O Som e a Fúria Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal

O rock perde o “pior guitarrista do mundo”; saiba quem é

Nascido na Inglaterra e radicado na Itália, Richard Benson, que morreu na segunda-feira, 9, era vaiado em quase todas as apresentações que ele fazia ao vivo

Por Felipe Branco Cruz 13 Maio 2022, 09h27

Durante uma apresentação em uma pequena casa de shows italiana, o guitarrista Richard Benson errou as notas e desafinou na hora de cantar. A plateia não perdoou e o xingou efusivamente. Benson não se abalou e continuou tocando como se nada tivesse acontecido. A apresentação, ocorrida num período pré-internet, foi filmada e o músico acabou ganhando o título nada honroso de pior guitarrista do mundo. Nascido na Inglaterra e radicado na Itália, Benson virou uma figura folclórica no país e nos anos 1990 e 2000 se tornou presença frequente como jurado em programas de calouros da TV italiana. Nos últimos anos, no entanto, após enfrentar diversos problemas de saúde, ele morreu na última segunda-feira, 9, aos 67 anos, de causas não reveladas.

Após ganhar a fama de “pior guitarrista do mundo”, ele se tornou uma espécie de celebridade no underground italiano, começou a fazer concorridas apresentações onde as pessoas iam apenas para vaiá-lo. O músico começou a carreira em 1971, tocando em bandas de rock progressivo da Itália. Nos anos 1980, ele chegou a lançar algumas canções da disco music. Ele também chegou a lançar três álbuns de rock: Madre Tortura (1999), L’inferno dei vivi (2015) e Duello Madre (2016), em que mesclava rock com música eletrônica.

Nos últimos anos de vida, no entanto, enfrentou inúmeros problemas de saúde. Em 2000, ele caiu de uma ponte dias depois de ter sido diagnosticado com artrite. Nos anos seguintes, os problemas nas articulações só pioraram e ele passou a caminhar com dificuldade. Para pagar as contas com os médicos, ele chegou a pedir ajuda financeira para cuidar da saúde. Embora, de fato, não fosse um virtuose no instrumento, ele tocava com paixão e genuíno amor pela música. Em um anúncio publicado em suas redes sociais, antes de ser internado pela última vez, ele teria dito: “se eu morrer, morro feliz”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês