Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
O Som e a Fúria Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal

Noivo ‘vampiro’ de Megan Fox confirma fixação de roqueiros pelo bizarro

Além de Machine Gun Kelly, que a atriz revelou beber sangue dela, artistas como Ozzy Osbourne a David Bowie também cultivaram comportamentos estranhos

Por Felipe Branco Cruz 27 abr 2022, 16h39

Em entrevista à revista Glamour, do Reino Unido, a atriz Megan Fox revelou que ela e seu noivo, o músico Machine Gun Kelly, costumam beber o sangue um do outro em rituais. Comportamentos como esses, no entanto, são mais comuns do que parecem quando se trata de roqueiros. Ozzy Osbourne, Keith Richards e até David Bowie já revelaram hábitos que, para nós, pobres mortais, soam completamente inacreditáveis.

Megan Fox garantiu que os dois bebem “apenas” algumas gotas de sangue. “Beber o sangue um do outro pode enganar, as pessoas nos imaginam com taças como em Game of Thrones“, ela disse. “É algo controlado. É tipo: ‘Vamos derramar algumas gotas de sangue e cada um bebe’.” Os dois também já revelaram que usam um colar com frascos do sangue um do outro, como Angelina Jolie chegou a fazer com Billy Bob Thornton entre 2000 e 2003.

Com sua estranha fixação pelo bizarro, é quase como se os roqueiros dissessem para os fãs: não somos iguais a vocês e não levamos uma vida comum. O comportamento é também uma forma de publicidade, claro, além de uma maneira de vender uma imagem rebelde para os fãs – expediente geralmente usado quando a carreira do artista está em baixa.

O guitarrista dos Rolling Stones, Keith Richards, se notabilizou pelo consumo excessivo de drogas – e continuar vivo. Em uma entrevista à revista britânica New Musical Express, ele fez a revelação espantosa (ou nem tanto, partindo dele) de que misturou as cinzas do pai com cocaína e… cheirou.  “Ele foi cremado e eu não pude resistir a misturá-lo com um pouco de pó (cocaína). Meu pai não se importaria. E desceu muito bem”, disse Richards.

Outro caso folclórico foi a mordida que Ozzy Osbourne deu na cabeça de um morcego num show em 1982. A “dentada” nunca foi completamente explicada. Ozzy, porém, já afirmou que achou que o corpo do morcego – jogado no palco por um fã – seria de brinquedo, e só foi descobrir que se tratava do animal de verdade após botá-lo na boca. Em sua autobiografia, Ozzy lembrou também do dia em que arrancou a cabeça de um pombo em uma reunião com a gravadora. Segundo Sharon Arden, que na época era a empresária dele e hoje é a sua esposa, a ideia era soltar pombas brancas na sala ao final da reunião para simbolizar a paz. Os animais, no entanto, ficaram por ali voando quando Ozzy, já doidão de álcool e drogas, pegou um dos pobrezinhos e arrancou sua cabeça a dentadas. Segundo Ozzy, uma mulher caiu no chão gritando. Depois, disseram que ele jamais trabalharia na CBS por causa disso.

O camaleão do rock, David Bowie, também era um manancial de comportamentos estranhos. De acordo com David Buckley, no livro Strange Fascination: David Bowie – The Definitive Story, em 1975, na Califórnia, David Bowie passou a estocar sua própria urina dentro da geladeira para manter sua alma pura, pois tinha medo que magos e bruxas a roubassem. A paranoia, desenvolvida na esteira do alto consumo de drogas, demonstrava a fragilidade do artista naquele período. Naquela época, o músico estava bastante magro, pois só se alimentava de pimentas e leite. Para manter a fama de mau, os roqueiros fazem de tudo.

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês