Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Som e a Fúria Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Felipe Branco Cruz
Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal
Continua após publicidade

Morre Lanny Gordin, o lendário guitarrista da Tropicália

O músico tocou também nos principais álbuns de Gilberto Gil, Caetano Veloso e Gal Costa

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 1 dez 2023, 12h41 - Publicado em 28 nov 2023, 16h16

Um dos maiores guitarristas do Brasil, Alexander Gordin, o Lanny, morreu na madrugada desta terça-feira, 28, após quase 30 dias de internação em um hospital de São Paulo, no dia em que completaria 72 anos. A causa da morte não foi revelada. O músico, que já foi chamado de Jimi Hendrix da Tropicália, devido à sua virtuose no instrumento, foi importantíssimo na formatação do som da Tropicália, inserindo a guitarra – antes malfadada pelos músicos tradicionais – nas canções que marcaram o período. Gordin tocou ainda em LPs fundamentais de Caetano Veloso, Gal Gosta e Gilberto Gil no final dos anos 1960 e durante toda a década de 1970.

Filho de um russo e uma polonesa, Lanny nasceu em 1951 em Xangai, na China. De lá, mudou-se para Israel, onde viveu até os seis anos, quando a família finalmente veio para o Brasil. O pai se tornou uma figura conhecida na noite paulistana com a casa noturna Stardust, onde Lanny começou a se apresentar aos 16 anos. Na Stardust  ele conheceu outros grandes nomes da música instrumental, como Hemeto Pascoal e o percussionista Paulinho da Costa. Com Hermeto e o guitarrista alemão Olmir Stocker, ele fundou o Brazilian Octupus, álbum cultuado até hoje.  Nos anos 60 e 70 participou praticamente de todos os álbuns lançados por Caetano, Gal Costa e Gilberto Gil. Em 1970, tocou no primeiro álbum solo de Rita Lee, Build Up, e em 1971 no aclamado Carlos, Erasmo, de Erasmo Carlos.

A partir de 2016, Gordin começou a apresentar sintomas da doença autoimune, Síndrome de Guillain-Barré, e parou de trabalhar. No ano seguinte, ele ganhou um documentário, Inaudito, de Gregorio Gananian, que mostrava sua história como músico que dominava plenamente o instrumento.

View this post on Instagram

A post shared by Sérgio Britto (@sergiobritto_oficial)

Continua após a publicidade
View this post on Instagram

A post shared by Lucio Mauro Filho (@luciomaurofilhooficial)

Acompanhe notícias e dicas culturais nos blogs a seguir:

Tela Plana para novidades da TV e do streaming
O Som e a Fúria sobre artistas e lançamentos musicais
Em Cartaz traz dicas de filmes no cinema e no streaming
Livros para notícias sobre literatura e mercado editorial

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.