Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
O Som e a Fúria Por Felipe Branco Cruz Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal

Beyoncé se afasta das músicas conceituais em novo álbum feito para dançar

O trabalho 'Renaissance', lançado nesta sexta-feira, 29, a cantora faz um bem-vindo retorno às músicas dançantes de 1990 e 2000

Por Felipe Branco Cruz Atualizado em 29 jul 2022, 12h31 - Publicado em 29 jul 2022, 12h28

Nos últimos seis anos, Beyoncé mirou todas as suas armas na produção de álbuns conceituais. Desse esforço vieram trabalhos grandiosos que, embora tivessem lá suas canções dançantes – soavam mais como um manifesto que música pop, mas que lhe renderam um merecido lugar no panteão dos artistas capazes de inovar sem se desprender da realidade. Os exemplos mais notórios foram a trilha sonora do filme O Rei Leão (2019) e o álbum visual Black is King (2020), disponível apenas para assinantes da Disney+, e o álbum Everything is Love, em parceria com o marido Jay-Z, sob o nome de The Carters. O novo lançamento, o sétimo álbum de estúdio, Renaissance, que chega hoje em todos os serviços de streaming, é um bem-vindo retorno às pistas com referências diretas aos hits que bombaram nas baladas dos anos 1990 e 2000. Embora não seja um álbum visual ou conceitual, todas as músicas já ganharam videoclipes e estão disponíveis em seu canal no YouTube. Beyoncé avisou ainda que o álbum é o primeiro de uma trilogia.

A primeira faixa divulgada pela artista já indicava o que viria por aí. Em Break My Soul ela sampleou um dos clássicos das pistas de dança dos anos 1990, Show Me Love, de Robin S., com vocais de Big Freedia, levando muitos fãs brasileiros a compararem com a coletânea farofa Summer Eletrohits. Mas o disco vai além e sobram até referências ao Miami Bass, ritmo que influenciou o funk carioca. Na música America Has A Problem, o batidão do grave parece ter saído de uma favela carioca, remetendo ao funk melody que fez a cabeça dos brasileiros também nos anos 1990, mas o batidão veio mesmo do rapper de Atlanta, Kilo Ali, na música Cocaine. Uma das faixas mais divertidas, no entanto, é Summer Renaissance, que sampleia I Fell Love, de Donna Summer, dos anos 1970. Como resultado, Beyoncé dá uma guinada no que vinha fazendo nos últimos anos, entregando um disco perfeito para a retomada da vida normal.

A cantora Beyoncé
A cantora Beyoncé //Divulgação

Não por acaso, em uma declaração postada em seu Instagram, a artista explicou que o álbum foi composto durante a pandemia. “Me permitiu um lugar para sonhar e encontrar uma fuga durante um período assustador para o mundo”, escreveu. “Minha intenção era criar um lugar seguro, um lugar sem julgamento. Um lugar para ser livre de perfeccionismo e pensamento excessivo. Lugar para gritar, soltar, sentir liberdade. Foi uma bela jornada de exploração”. O disco, no entanto, já havia vazado na internet dois dias antes. Na mesma declaração, a cantora agradeceu aos fãs leais que não ouviram as versões piratas e aguardaram o lançamento oficial.

Se nos últimos trabalhos ela abordava temas sociais e urgentes, como feminismo e racismo, em Renaissance, ela quer apenas celebrar. O álbum não se encaixa em nenhuma tendência musical atual. Ele simplesmente é. Eis o poder de Beyoncé.

View this post on Instagram

A post shared by Beyoncé (@beyonce)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)