Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
O Som e a Fúria Por Felipe Branco Cruz Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal

Beyoncé é criticada por ativista após usar palavra ofensiva em nova música

A cantora usou o termo 'spaz', que nos EUA significa 'pirar', mas no Reino Unido tem conotação pejorativa contra pessoas com deficiência

Por Felipe Branco Cruz Atualizado em 1 ago 2022, 14h30 - Publicado em 1 ago 2022, 11h02

Lançado na sexta-feira, 29, o novo álbum da cantora Beyoncé, Renaissance, arrancou elogios da crítica, mas uma música despertou a fúria dos britânicos pelo uso de uma palavra ofensiva por lá, mas com outra conotação nos Estados Unidos. Na canção Heated, Beyoncé utilizou o termo “spaz”, que entre os americanos significa algo como “pirar” ou “perder a cabeça”, no Reino Unido, porém, é uma ofensa capacitista direcionada às pessoas com paralisia cerebral.

O insulto foi bastante criticado por Hannah Diviney, escritora australiana e defensora das pessoas com deficiência, em um artigo publicado no jornal britânico The Guardian. A autora já havia criticado meses atrás a cantora Lizzo, que também usou a mesma palavra na música Grrrls. Após a polêmica, Lizzo mudou a letra da música e se desculpou publicamente pelo uso dizendo que jamais quis usar uma linguagem depreciativa. “Achei que havíamos mudado a indústria da música e iniciado uma conversa global sobre por que a linguagem capacitista – intencional ou não – não tem lugar na música”, escreveu Diviney.

Para a ativista, o uso da palavra na música de Beyoncé pode ajudar a popularizar uma ofensa muito grave no Reino Unido, especialmente porque a cantora é uma potência cultural mundial. “O compromisso de Beyoncé em contar histórias musicalmente e visualmente é incomparável, assim como seu poder de fazer o mundo prestar atenção às narrativas, lutas e experiências vividas matizadas de ser uma mulher negra – um mundo que só posso entender como um aliado e não desejo para ofuscar. Mas isso não justifica seu uso de linguagem capacitista – linguagem que é usada e ignorada com muita frequência”, escreveu.

Após o texto, Beyoncé anunciou que removeu a palavra de sua música. Representantes da artista disseram ao jornal The Independent que a palavra não foi usada intencionalmente de maneira preconceituosa.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)