Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
O Som e a Fúria Por Felipe Branco Cruz Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal

“Aconteceu muito”, diz mãe de Marília Mendonça sobre racismo com o marido

Em entrevista a VEJA, dona Ruth falou sobre como enfrentou os seis meses após a morte da filha e o espantoso caso de racismo que o marido sofreu nas redes

Por Felipe Branco Cruz Atualizado em 23 Maio 2022, 17h07 - Publicado em 23 Maio 2022, 16h09

Em entrevista publicada em VEJA nesta semana, a mãe da cantora Marília Mendonça, Ruth Moreira Dias, de 53 anos, contou como enfrentou os últimos seis meses após a morte da filha, aos 26 anos, em 5 de novembro do ano passado. Ela comentou também sobre a criação de um canal no YouTube, que estreou no Dia das Mães, com receitas e bate-papos com amigos (ideia que teve com a filha durante a pandemia) e ainda sobre a gestão do espólio da artista. Ruth falou também sobre o espantoso caso de racismo que seu marido, o administrador de empresas Deyvid Fabricio, sofreu nas redes sociais, durante o velório da cantora.

Na ocasião, Deyvid, de 30 anos, virou alvo de comentários racistas nas redes. Por ser negro e jovem, muitos postaram que ele seria segurança da família. “Não gosto de falar sobre isso, mas já aconteceu muito com a gente esse tipo de racismo”, desabafou. “O velório foi um momento de dor”, afirmou. O casamento, no entanto, contou com a bênção de Marília, que, inclusive, cantou na festa. “Só casei com ele depois que a Marília aprovou e, principalmente, depois que o Léo nasceu (neto de Ruth e único filho de Marília). Ela era muito grata por Dayvid cuidar do Léo como se ele fosse um neto também. Eu brinco que o Dayvid é o avô mais novo que tem em Goiás. Ela tinha uma gratidão enorme por ele por causa do amor que ele tem pelo Léo”, completou.

Bem-humorada apesar da tragédia, Ruth explicou que a força para resistir vem de sua fé. Evangélica, ela relata que a única pessoa que teve coragem de contar a ela que Marília havia morrido foi uma pastora amiga da família. “Marília passou por este mundo como um cometa. Foram só seis anos de carreira. Agora eu entendo por que ela era tão intensa e tudo tinha de ser rápido”, diz Ruth.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)