Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
maicon tenfen O Leitor Por Maicon Tenfen Lendo o mundo pelo mundo da leitura. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Censuraram o Chapolin? Então também devem censurar o Eddie Murphy

A censura, qualquer forma de censura, inclusive a de produtos culturais das décadas passadas, é sempre uma faca de dois gumes

Por Maicon Tenfen Atualizado em 7 jun 2018, 09h30 - Publicado em 7 jun 2018, 09h22

Através de uma edição de dublagem, o Multishow cortou uma piada considerada homofóbica de um dos antigos episódios do Chapolin Colorado, estrelado pelo humorista mexicano Roberto Bolaños (1929-2014), o mesmo que se consagrou internacionalmente no papel de Chaves.

“É melhor chamar o Batman”, diz um dos personagens para desdenhar a importância de Chapolin, que responde:

— Em primeiro lugar, o Batman não pode vir porque está em lua-de-mel com o Robin.

Essa frase, já exibida em TV aberta pelo SBT, foi substituída por:

— Em primeiro lugar, o Batman não pode vir porque furou o pneu do batmóvel.

A atitude politicamente correta foi de fato correta? É difícil compreender o que exatamente incomoda na cena. A simples menção ao fato de Batman e Robin serem um casal? Mas, nesse caso, o reconhecimento de uma suposta relação homoafetiva deveria ofender alguém? Ou o cuidado seria com a própria dupla dinâmica, desde sempre cercada por uma aura gay?

Continua após a publicidade

A censura, qualquer forma de censura, inclusive a de produtos culturais das décadas passadas, é sempre uma faca de dois gumes. Se a dublagem do Chapolin foi modificada, então é justo que as pessoas que desejam construir um mundo melhor através da omissão também exijam o corte de várias cenas de Um Tira da Pesada (Beverly Hills Cop, 1984), com Eddie Murphy, ainda exibido em horários vespertinos.

No caso seria preciso CORTAR segmentos inteiros, já que a simples redublagem não resolveria o problema dos estereótipos difundidos pela indústria cultural. A característica básica de Axel Foley, interpretado por Murphy, é zombar de todo mundo, dos policiais, dos ricos, dos wasps e, claro, dos gays. O vídeo abaixo apresenta três dublagens da mesma cena, nenhuma preocupada com incorreções políticas.

 

 

Se o Chapolin, que mencionou o Batman, merece censura, então o Eddie Murphy – e boa parte dos astros dos anos 80 – também merece. Mas será que vale a pena prosseguir com essa espiral de “pode” e “não pode” que fatalmente terminará numa caça às bruxas nas ilhas de edição? Não seria mais correto, inclusive no sentido político, deixarmos as novas gerações entenderem que algumas coisas eram diferentes no passado?

O mundo está se tornando muito, muito babaca.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)