Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

O Leitor

Por Maicon Tenfen Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Lendo o mundo pelo mundo da leitura. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Anotem aí: Luciano Huck será candidato ainda em 2018

O apresentador da Globo disse que não disputará a Presidência, mas tudo indica que está blefando

Por Maicon Tenfen Atualizado em 29 nov 2017, 18h24 - Publicado em 29 nov 2017, 01h49

No artigo em que renuncia à candidatura a presidente, Luciano Huck fez a seguinte comparação:

— Como Ulisses em A Odisseia, nos últimos meses estive amarrado ao mastro, tentando escapar da sedução das sereias, cantando a pulmões plenos e por todos os lados, inclusive dentro de mim.

A citação da epopeia grega não é gratuita. Por causa de uma ofensa a Poseidon, o deus dos mares, Ulisses é forçado a navegar a esmo, por vários anos, sem condições de seguir o caminho correto até Ítaca, onde reencontraria a esposa Penélope e o filho Telêmaco.

Numa análise mais apressada, poderíamos dizer que Luciano Huck está tão perdido quanto Ulisses e por isso resolveu adiar essa bobagem de “mamãe-quero-ser-presidente” para se manter seguro nas amarras do mastro. Melhor um pássaro na mão do que dois voando, certo?

Errado.

Continua após a publicidade

Nunca é bom subestimar a ambiguidade dos clássicos — e da política!

É verdade que Ulisses resistiu às sereias, mas depois desfrutou das delícias de Calipso, a ninfa que lhe ofereceu a imortalidade. É a velha tática de blefar agora para vencer depois. Como todo leitor de Homero sabe, a ESPERTEZA é a maior característica de Ulisses.

Por que Luciano Huck continuou falando como presidenciável após virar as costas para o pleito? “Se eu fosse candidato, já teria um gabinete montado!”. Estaria adubando o terreno para 2022? Não: está apenas cumprindo as premissas do herói que imagina ser. Hoje a história do mastro, amanhã a “aceitação” da candidatura.

Na segunda-feira à tarde, no fórum que Veja organizou em São Paulo, Luciano agiu como se estivesse no palácio do Rei Alcino. Numa retrospectiva “épica”, remontou a sua trajetória de Troia até a Ilha dos Feácios, ou melhor, da Globo até a candidatura que teriam lhe jogado nas costas.

Continua após a publicidade

— Meu nome é Ninguém! — disse ao ciclope Polifemo, isto é, ao olho incansável da opinião pública.

A jogada é de mestre. Que outros sejam atacados e devorados enquanto ele se esconde numa pele de cordeiro. O que mais deseja, assim que furar o olho de Polifemo, é chegar à praia — se possível sem ferimentos — e berrar para quem quiser ouvir:

— Como Ulisses, o rei de Ítaca, sou Luciano, o bom moço, e aceito a missão que o povo me confiou.

Anotem aí: teremos um presente de grego em 2018.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.