Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
maicon tenfen O Leitor Por Maicon Tenfen Lendo o mundo pelo mundo da leitura. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A namorada chinesa de Camões inspirou o maior cacófato do idioma

O dilema atravessou os séculos e sobrevive até hoje: salvar a pessoa amada, ou a obra de uma vida?

Por Maicon Tenfen Atualizado em 4 jan 2018, 09h03 - Publicado em 4 jan 2018, 09h00

Conta-se que Camões enfrentou inúmeros naufrágios em suas andanças pelo Oriente. O mais famoso se deu na foz do Rio Mekong, quando uma tempestade pôs a pique a caravela em que viajava.

Na confusão que se seguiu, o poeta deparou com um dilema que atravessaria os séculos: de um lado, sumindo na imensidão das águas, viu a bolsa com o manuscrito d’Os Lusíadas; de outro, tomando os primeiros caldos e gritando por socorro, a sua bela namorada chinesa.

A quem salvar?

Veja que a resolução do problema não era tão simples quanto pensam os apressados.

Camões sabia que Os Lusíadas tornar-se-iam o poema mais importante do idioma. Símbolo máximo da cultura portuguesa, é composto por 8816 decassílabos simetricamente heroicos (com tônica na sexta e na décima sílaba de cada verso), algo muito difícil de fazer, trabalho que lhe consumiu anos e mais anos de reclusão.

E a namorada chinesa… Ah, era doce e graciosa como um lírio num vaso de ouro, um pêssego em forma de gente, uma flor de tamareira. Dizem que se chamava Dinamene, tinha os olhos mais verdes que o poeta conheceu (algo raro numa chinesa) e declamava madrigais depois do amor.

Se Camões salvasse Dinamene, Os Lusíadas desapareceriam nas águas inclementes; se salvasse Os Lusíadas, Dinamene é que afundaria e morreria afogada. Mais que violenta, a borrasca não permitia a alternativa de socorrer a obra e a amada ao mesmo tempo. Ou uma, ou outra, e o poeta tinha menos de dois segundos para decidir.

Considerando que hoje o resumo d’Os Lusíadas aparece em todos os manuais de Língua Portuguesa da Europa, da América, da África e da Ásia, é óbvio que Camões ignorou as súplicas da pobre Dinamene e mergulhou para salvar a bolsa com o manuscrito. Tudo isso pode ser mentira, lenda, lorota, mas o poema dedicado à chinesa — bem como o espalhafatoso cacófato do verso inicial — são reais:

Continua após a publicidade

Alma minha gentil, que te partiste
Tão cedo desta vida descontente,
Repousa lá no Céu eternamente,
E viva eu cá na terra sempre triste.

Se lá no assento do Etéreo, onde subiste,
Memória desta vida se consente,
Não te esqueças daquele amor ardente,
Que já nos olhos meus tão puro viste.

E se vires que pode merecer-te
Alguma coisa a dor que me ficou
Da mágoa, sem remédio, de perder-te,

Roga a Deus, que teus anos encurtou,
Que tão cedo de cá me leve a ver-te,
Quão cedo de meus olhos te levou.

Ele lamenta a morte daquela que deixou morrer? É isso mesmo?

Mas o assunto era o cacófato, não? É o termo usado para indicar os sons pejorativos ou engraçados que se formam a partir de uma combinação involuntária de palavras. Assim, quando Camões escreveu “Alma minha gentil, que te partiste”, estava formulando (sem querer?) o cacófato “maminha”.

É claro que isso serve de reflexo defensivo para todos os que se atrevem a escrever. Se o maior dos maiores cometeu um cacófato logo na abertura de um soneto, é justo que se perdoem os escorregões dos modestos redatores que existem por aí, incluso este mortal que ora se enuncia.

Resta perguntar se Camões agiu com correção ao preferir Os Lusíadas. O que você teria feito no lugar dele? A resposta a esse tipo de pergunta é capaz de revelar muito de nós mesmos ou do momento pelo qual passamos. Seja como for, lanço um conselho às Dinamenes do mundo: antes de se meterem com poetas, inscrevam-se numa academia de natação.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)