Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Sinalizar não basta (Por Natalia Pasternak)

Faltou ao Estado coragem para ser estraga-prazer da ceia de Natal

Por Natalia Pasternak Atualizado em 23 dez 2020, 02h19 - Publicado em 23 dez 2020, 13h00

O governo paulista anunciou medidas restritivas para o período de festas de final de ano, que incluem o fechamento de toda atividade não essencial nos dias 25, 26 e 27 de dezembro, e 1º, 2 e 3 de janeiro de 2021. Estes dias incluem os feriados de Natal e ano novo, onde o comércio já estaria fechado de qualquer maneira, além de sábados e domingos. As compras de Natal costumam provocar aglomerações até dia 24 de dezembro pela manhã, e logo após o Natal também, quando há uma grande movimentação de trocas.

Representantes do governo reconheceram que as medidas servem muito mais como um sinalizador do perigo para a população do que realmente como formas de restrição. Teriam o papel de um alerta vermelho, para conscientizar as pessoas sobre os perigos das aglomerações.

Conscientização certamente é necessária, mas a julgar pelo comportamento visto nas grandes ruas de comércio da capital, onde aglomerações de pessoas sem máscara são rotineiras, medidas restritivas firmes também viriam a calhar. E faltou também uma mensagem clara sobre os perigos das reuniões de família no Natal e réveillon.

Apesar de o secretário de Saúde ter mencionado que reuniões e festas caseiras não são desejáveis, independentemente do número de pessoas convidadas, o governo estadual furtou-se ao dever de dizer, de forma clara e sem rodeios, que reunir amigos e parentes vindos de diferentes domicílios, na situação atual da pandemia, é um convite ao desastre – pessoal, familiar e de saúde pública.

Cumprir as medidas preventivas de uso de máscara, distanciamento, não compartilhar objetos e higiene das mãos não é tarefa fácil em um jantar de família. Impedir que parentes que não se veem há um ano troquem beijos e abraços é uma possibilidade teórica de pouca plausibilidade prática. Faltou aos representantes do Estado coragem para ser o estraga-prazeres da ceia de Natal, em prol do bem comum. Quem se limita a apenas sinalizar hoje está assumindo o risco de ter de sepultar amanhã.

Natalia Pasternak é pesquisadora visitante do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP. O artigo foi transcrito do site do jornal O Estado de S. Paulo

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)