Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Sai Canuto e entra Marinho para alegria de políticos atrás de verbas

Caça ao voto de olho nas eleições

Por Ricardo Noblat Atualizado em 30 jul 2020, 19h10 - Publicado em 7 fev 2020, 08h00

A demissão de Gustavo Canuto, ministro do Desenvolvimento Regional, pode significar o início da reforma do governo de Jair Bolsonaro em gestação desde meados do segundo semestre do ano passado – ou não. Sua substituição por Rogério Marinho, essa significa, sem dúvida, que o ministro Paulo Guedes, da Economia, continua forte no cargo, apesar de Bolsonaro.

Canuto é um engenheiro de computação e servidor público há quase 10 anos. O Ministério que comandava sucedeu o Ministério das Cidades. Seu orçamento é de 14 bilhões de reais. Cuida de projetos na área de habitação, como o Minha Casa Minha Vida, de saneamento e de irrigação de áreas rurais. Em ano eleitoral, é uma mina de ouro para políticos interessados em se eleger.

Filiado ao PSDB, ex-deputado federal que não conseguiu se reeleger em 2018 em seu Estado, o Rio Grande do Norte, Marinho destacou-se como secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia. Bolsonaro deve mais a ele do que a Guedes a aprovação da reforma da Previdência. Marinho é um hábil negociador com amplo trânsito no Congresso.

Sua nomeação foi comemorada por Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado. Os dois, mas não somente eles, queixavam-se de Canuto a quem acusavam de ser insensível aos pedidos de liberação de emendas ao Orçamento para a construção de pequenas obras nos redutos eleitorais de parlamentares.

São muitos os ministros mortos-vivos que arrastam suas correntes nas vizinhanças de Bolsonaro – os mais notórios, os da Casa Civil, Educação e Meio Ambiente. O expurgo de Canuto, porém, não é nenhuma garantia de que teve início um expurgo coletivo como muitos, aqui fora, desejam. Desde que assumiu, o ex-capitão está em campanha para provar que o único general do governo é ele.

Se vaza que pretende fazer isso ou aquilo outro, Bolsonaro se irrita, desmente, cancela a decisão que estava prestes a tomar ou a retarda o máximo possível mesmo que em seu próprio prejuízo. Jamais engoliu o fato de ter sido afastado do Exército por iniciativa dos generais da época. Sentiu-se injustiçado. Mas agora são os generais que lhe batem continência.

Deputados e senadores com muitos anos de Congresso enxergam na troca de Canuto por Marinho a aceleração da Velha Política travestida de nova para satisfação dos devotos do capitão. As eleições municipais estão logo ali. E, daqui a dois anos, Bolsonaro pretende renovar o seu mandato. Sabe como é. Como sempre foi.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês